Zoe duplica autonomia. E o preço?

A Renault reforçou a aposta nos elétricos. No Zoe, as novas baterias permitem sem preocupações percorrer 300 quilómetros com uma única carga. É quase o dobro da versão anterior.

O Zoe, em si, não é novo. Foi lançado em 2013, mas agora ganhou o argumento que precisava para se destacar na oferta de automóveis elétricos. A Renault praticamente duplicou a autonomia deste utilitário, podendo agora chegar a 400 quilómetros. E o melhor é que custa pouco mais de um euro para percorrer cada uma dessa centena de quilómetros.

A Renault diz que “o modelo 100% elétrico percorre, com facilidade e sem preocupações, 300 quilómetros com uma única carga de bateria. Em condições excecionais, as mesmas que permitem a alguns diesel reivindicarem consumos na ordem dos três litros aos 100, até pode chegar aos 400 quilómetros”.

Este aumento da autonomia resulta da incorporação de uma nova geração de baterias desenvolvidas em parceria com a LG Chen. “Baterias com a mais elevada densidade energética do mercado, fruto da melhoria da química e da adição de matéria ativa”, refere a marca francesa, no comunicado de apresentação do Zoe. Através da wallbox doméstica da marca, são precisas sete horas para carregar totalmente as baterias.

O Renault Zoe Z.E. 40 pode percorrer 100 quilómetros com um custo de eletricidade de apenas 1,30 euros, isto caso a tarifa de eletricidade contratualizada for bi-horária. Se não for o caso, a mesma centena de quilómetros tem um custo máximo de 2,20 euros, ainda assim “um valor incomparavelmente inferior ao que é reivindicado pelos mais económicos diesel”, nota a Renault.

O custo para percorrer cada centena de quilómetros é reduzido, mas o valor necessário para comprar o carro? O Zoe pode ser adquirido a partir de 17.560 euros (assumindo o incentivo do Estado de 2.250 euros) com um contrato de aluguer de baterias. Com a bateria incluída, o valor começa nos 28.835 euros. E as revisões? A marca aponta para valores entre os 30 e os 50 euros, cada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zoe duplica autonomia. E o preço?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião