Governo diz que auditoria à Caixa está à espera do Banco de Portugal

  • Margarida Peixoto
  • 15 Fevereiro 2017

Governo garante que fez o pedido de auditoria forense à Caixa, mas assegura que está à espera de decisões do Banco de Portugal.

Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado das Finanças, garantiu esta quarta-feira que o pedido de auditoria forense à Caixa Geral de Depósitos foi feito, mas que está à espera de decisões do Banco de Portugal. O governante falava durante a audição regimental, na comissão de Orçamento de Finanças, na Assembleia da República.

Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, quis saber do ponto de situação da auditoria forense, aprovado pelo Parlamento, à gestão da Caixa Geral de Depósitos. Na resposta, Ricardo Mourinho Félix passou a bola para o Banco de Portugal.

"O Banco de Portugal está a analisar como pode desencadear o processo de forma autónoma.”

Ricardo Mourinho Félix

Secretário de Estado das Finanças

“Enviámos um pedido à administração da Caixa, para que solicitasse a auditoria forense”, garantiu o governante, esclarecendo que se trata de auditar os procedimentos que levaram à identificação das imparidades e não as contas propriamente do banco público. Mas para cumprir este pedido, é preciso aceder a “informação sob segredo bancário que depende da autorização do supervisor”, adiantou. Por isso, “o Banco de Portugal está a analisar como pode desencadear o processo de forma autónoma”, justificou.

Mourinho Félix esclareceu ainda que todos os relatórios de auditoria da Caixa já foram enviados para a Inspeção Geral das Finanças e que está a tentar apurar por que motivo não tinham sido enviados atempadamente pelo banco público.

Sobre a emissão de dívida com elevado grau de subordinação, Mourinho Félix reafirmou o objetivo de realizar a operação em março e garantiu que “existe interesse” por esta dívida subordinada.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo diz que auditoria à Caixa está à espera do Banco de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião