Parlamento: leis sobre offshores paradas há 8 meses

  • ECO
  • 22 Fevereiro 2017

Os projetos de lei sobre evasão fiscal estão parados há oito meses no Parlamento. A revelação de que o fisco não vigiou 10 mil milhões que foram para offshores, partidos voltam à carga.

A investigação dos Panama Papers, feita pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação em abril do ano passado, tem servido para reforçar as regras fiscais em todo o mundo: no Equador, por exemplo, os gestores públicos estão proibidos de ter contas offshores e na União Europeia ainda esta terça-feira foram aprovadas novas regras. Contudo, em Portugal, desde junho que os projetos de lei sobre o tema estão paradas no Parlamento, avança o Público esta quarta-feira.

Estas propostas em stand by para combater a criminalidade económica financeira e fiscal visão, segundo o jornal, visam combater o uso indevido de offshores e aumentar os impostos pagos por esse tipo de transferências. Na sequência da notícia desta terça-feira que dava conta que o fisco português não vigiou 10 mil milhões de euros que foram parar a offshores, entre 2011 e 2015, o BE e o PCP querem ouvir os ex-responsáveis dos Assuntos Fiscais. A Inspeção Geral das Finanças está a investigar o assunto.

A comissão parlamentar responsável por essa área reúne ordinariamente esta quarta-feira, pelas 10h30 e, apesar de o assunto não estar na agenda, um deputado socialista revela ao Público que o PS vai “propor o avanço de alguns projetos”. João Paulo Correia especifica que um dos projetos em cima da mesa sobre a criminalidade fiscal tem em vista proibir pagamentos em numerário acima de três mil euros.

No entanto, à esquerda não tem existido consenso quanto às regras a utilizar nos paraísos fiscais. No mesmo jornal, Mariana Mortágua, deputada do BE, refere que perante estas notícias espera que “haja mais disponibilidade por parte dos restantes partidos” para legislar esta área. Também Miguel Tiago, deputado do PCP, afirma que as recentes notícias revelam que “a supervisão tem falhas e que é preciso avançar com a proibição ou com uma maior taxação para fazer com que este capital fique em Portugal, onde foi gerado”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento: leis sobre offshores paradas há 8 meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião