EDPR arrecada 242 milhões com venda à China Three Gorges

A empresa liderada por Manso Neto alienou uma posição de 49% de um portefólio de ativos eólicos situados em Portugal que eram detidos em parceira com o grupo chinês que entrou para a EDP em 2011.

A EDP Renováveis comunicou esta segunda-feira ao mercado que alienou uma posição minoritária num portefólio de energia eólica situado em Portugal que detinha em parceria com os chineses da China Three Gorges. Esta operação permitiu um encaixe de 242 milhões de euros à empresa liderada por Manso Neto.

“A EDP Renováveis, subsidiária 77,5% controlada pela EDP, chegou hoje a um acordo com ACE Fund SPV, detida a 100% pelo ACE Investment Fund LP – uma entidade participada pela China Three Gorges Hong Kong, uma subsidiária integral da China Three Gorges (“CTG”) – para a venda de uma participação acionista representativa de 49% do capital social e suprimentos relativos a um portefólio de ativos eólicos por um preço global de 242 milhões de euros”, diz o comunicado publicado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Em causa estará um perímetro da transação que abrange 422 MW de tecnologia eólica, localizados em Portugal, com uma vida média de seis anos. “Estes ativos são relativos ao projeto ENEOP e foram consolidados integralmente pela EDPR após a conclusão do processo de separação dos ativos em 2015”, acrescenta o mesmo comunicado.

A alienação hoje conhecida foi acordada no final de 2013 entre a EDP e a China Three Gorges, inserindo-se no acordo estabelecido em dezembro de 2011, ano em que ocorreu a privatização da EDP que foi ganha pelo grupo chinês. “O acordo hoje alcançado insere-se no contexto da parceria estratégica estabelecida entre a EDP e a CTG, em relação ao investimento total de dois mil milhões de euros a efetuar pela CTG (incluindo co-financiamento de investimento operacional) em projetos de produção de energia renovável operacionais e prontos a construir”, especifica o comunicado publicado pela CMVM.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDPR arrecada 242 milhões com venda à China Three Gorges

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião