Prestação da casa. Novo mínimo em março

Encargos mensais com o crédito à habitação reduzem-se entre 0,2% e 1,4% no próximo mês. Empréstimos com indexantes de prazos mais alargados são os mais beneficiados.

Os portugueses com crédito à habitação preparam-se para entrar em março com boas notícias para o seu bolso. Quem vir revista a taxa de juro do empréstimo da casa no próximo mês vai passar a pagar menos de prestação. A redução dos encargos mensais oscila entre um mínimo de 0,2% e um máximo de 1,4%. Quanto mais alargado for o prazo do indexante associado ao empréstimo, maior será o benefício.

É o que acontecerá no caso dos agregados cujos empréstimos da casa estão associados à Euribor a 12 meses, já que só agora vão tirar partido da descida do indexante registada ao longo do último ano. Assumindo o cenário de um crédito no valor de 100 mil euros, a 30 anos, e com um spread de 1%, resulta numa poupança mensal de 4,43 euros, com a prestação a baixar para 316,84 euros mensais. O número de famílias que irá tirar partido dessa redução será contudo baixo, já que a Euribor a 12 meses ainda tem pouca expressão no total do crédito à habitação, apesar de muitos bancos já a estarem a privilegiar na concessão de novos empréstimos.

Perspetivas para o rumo da Euribor

Fonte: Bloomberg

Já as famílias cujos créditos têm como indexante a Euribor a seis meses vêm a prestação baixar em 0,7% no próximo mês, uma redução que permitirá uma poupança mensal de 2,34 euros, com a prestação a descer para os 310,69 euros. Os empréstimos indexados à Euribor a três meses sentirão a poupança mais curta. Esta será de apenas 71 cêntimos por mês, com os encargos mensais a baixarem para os 306,75 euros (menos 0,2% face à anterior revisão) ao longo dos próximos três meses.

Juros negativos até ao fim de 2019

As famílias portuguesas continuam assim a tirar partido da política de alívio monetário por parte do Banco Central Europeu (BCE), em que a fixação da da taxa de juro de referência da zona euro mínimo histórico de 0% é uma das principais medidas. Uma decisão que tem beneficiado bastante as famílias com crédito à habitação e que deverá continuar a fazê-lo pelo menos durante mais algum tempo, apesar de as recentes revisões em baixa das prestações serem cada vez mais curtas.

O mercado antecipa que os juros se mantenham negativos até dezembro de 2019, com o indexante a assumir valores positivos, mas ainda assim baixos. A expectativa do mercado aponta para que só em dezembro de 2021 a Euribor a três meses ultrapasse a fasquia dos 0,5%. Um cenário que decorre do compromisso do BCE em garantir que a economia europeia descole face à débil situação em que ainda se encontra.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prestação da casa. Novo mínimo em março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião