Exxon junta-se à Galp na produção de gás em Moçambique

A Exxon comprou à Eni uma participação indireta de 25% de um bloco em Moçambique, por 2,6 mil milhões de euros, juntando-se à Galp na exploração e produção de gás natural naquele país.

A norte-americana ExxonMobil vai ser parceira da Galp GALP 0,00% na exploração e produção de gás natural em Moçambique, depois de ter chegado a acordo com a italiana ENI para a compra de uma participação indireta de 25% no bloco Area 4, no offshore daquele país africano, por cerca de 2,8 mil milhões de dólares (2,65 mil milhões de euros).

Com este negócio, a Eni East Africa passará a ser detida pela Eni (35,7%), ExxonMobil (35,7%) e CNPC (28,6%), detendo 70% dos direitos da concessão na Area 4. As restantes participações naquele bloco rico em gás natural estão nas mãos da Galp (10%), Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (10%) e Kogas (10%).

A Eni vai continuar a ser a operadora líder no projeto. Já a ExxonMobil ficará responsável pela construção e gestão das infraestruturas de liquefação do gás natural.

O acordo ainda está dependente da aprovação das autoridades moçambicanas e de outras entidades reguladoras.

“Este acordo representa uma prova material da nossa estratégia de exploração baseada na monetização antecipada das nossas descobertas, fazendo parte do nosso modelo de ‘exploração dual'”, referiu o CEO da petrolífera italiana, Claudio Descalzi, num comunicado conjunto das duas empresas. Darren W. Woods, presidente da companhia americana, destaca os “recursos naturais abundantes de Moçambique” que vai criar valor para o país, parceiros do projeto e para os acionistas” da Exxon.

"Vamos ajudar a providenciar energia a preços acessíveis para os consumidores e criar valor económico a longo prazo para a população de Moçambique, para os parceiros do projeto e para os acionistas da ExxonMobil.”

Darren W. Woods

Presidente da ExxonMobil

As estimativas apontam para reservas na ordem dos 85 biliões de pés cúbicos no bloco da Area 4.

As ações da Galp estão a cair quase 2% para os 13,625 euros.

Galp mantém-se em queda

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exxon junta-se à Galp na produção de gás em Moçambique

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião