Reações às palavras de Dijsselbloem? Há e não são boas

  • João Santana Lopes
  • 21 Março 2017

As declarações de Dijsselbloem sobre o sul da Europa geraram indignação em Portugal. Direita e esquerda estão unidas nas críticas. Mas também há quem opte por usar o humor para reagir.

Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, sugeriu que os países que pediram ajuda financeira, como Portugal, Grécia, Espanha, depois de terem desperdiçado dinheiro em “bebidas e mulheres”. Na sequência da entrevista que concedeu ao Frankfurter Allgemeine Zeitung, o holandês recusa-se a pedir desculpa pelos comentários que alguns eurodeputados consideraram ser “insultuosos” e “vulgares”.

Mas os eurodeputados não foram os únicos a reagir. As redes sociais encheram-se de comentários indignados com as palavras do ainda presidente do grupo que reúne os ministros das Finanças da zona euro. Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do Bloco de Esquerda, abriu as hostilidades.

Catarina Martins, coordenadora nacional do BE, também se juntou ao seu líder parlamentar, relembrando que o lugar de Dijsselbloem pode estar em risco depois das eleições da passada quarta-feira.

As críticas surgem igualmente à direita. Os deputados do PSD Duarte Marques, Pedro Roque e Miguel Morgado mostraram o seu descontentamento na rede social Twitter.

Já no Facebook, os deputados do PS Tiago Barbosa Ribeiro e Porfírio Silva responderam com fortes críticas ao ministro das Finanças holandês. Porfírio Silva apelida Dijsselbloem de “traste austeritário”, enquanto Barbosa Ribeiro aproveita para deixar uma crítica ao Governo de Passos Coelho.

Nem o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, resistiu a comentar, mas de forma mais discreta, dizendo apenas que não se comenta este tipo de declarações.

Num tom mais descontraído, as declarações também motivaram algumas reações satíricas no Facebook.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reações às palavras de Dijsselbloem? Há e não são boas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião