Crise da Uber: mesmo após acidente, vão voltar os testes com carros autónomos

  • ECO
  • 28 Março 2017

Depois de um acidente rodoviário com um Volvo que operava em sistema de piloto-automático, que suspendeu os testes com veículos autónomos durante o fim de semana, a Uber vai retomá-los esta semana.

É só a mais recente polémica no rol das várias que têm manchado a imagem da empresa norte-americana. Desta feita, foi um acidente, durante um teste, com um carro que operava em sistema de piloto automático, este fim de semana em Temple, no Arizona. Apesar de fontes da polícia local terem afirmado que o carro Uber não foi o responsável pelo sinistro, a marca ainda decidiu suspender os testes. Mas agora vai retomá-los.

O carro em questão, um SUV da marca Volvo, ter-se-á desviado da sua rota e ficado virado de lado durante o teste. Terá batido contra outra viatura, que ficou com mossas laterais e com os vidros das janelas partidos, mas nenhum dos condutores ficou ferido.

Um porta-voz da Polícia de Temple defendeu ao site Business Insider (conteúdo em inglês) que o carro da Uber não foi responsável pelo acidente e que foi a outra viatura a responsável, por estar a incorrer numa contraordenação.

Ainda assim, a Uber decidiu suspender os testes com veículos autónomos em Pittsburgh, São Francisco e Arizona durante o fim de semana.

Nenhum passageiro é levado em sistema de piloto automático

A Uber não tem levado nenhuns passageiros a nenhum destino em carros autónomos em São Francisco. Os dois veículos da companhia que estão em circulação nessa zona servem apenas para planeamento de mapas e percursos e são conduzidos por funcionários da empresa.

Em meados de dezembro do ano passado, a Uber tentou avançar com uma segunda frota de carros autónomos, do modelo Volvo XC90 SUV, mas não conseguiu obter a licença antes da data prevista para o lançamento, o que levou o Departamento de Veículos Motorizados da Califórnia a retirar os registos dos outros 16 veículos autónomos que já estavam em circulação.

Já em Pittsburgh, os passageiros têm estado a ser levados em veículos do modelo Ford Fusion com tecnologia autónoma desde setembro do ano passado. E os veículos que foram proibidos na Califórnia foram levados para o Arizona na parte de trás de uma das carrinhas automáticas da Uber, afirma o Business Insider (conteúdo em inglês).

Esses carros tinham estado em testes durante a semana anterior à mudança e um deles tinha sido apanhado a ultrapassar um semáforo vermelho num cruzamento perigoso em pleno teste. Na altura, um porta-voz da companhia veio defender que o incidente fora motivado por “falha humana”, mas os trabalhadores da empresa defenderam-se ao The New York Times e afirmaram que o carro estava a circular em sistema de piloto automático.

Agora, depois do acidente mais recente, e da paragem com os testes, a Uber vai retomá-los esta semana.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crise da Uber: mesmo após acidente, vão voltar os testes com carros autónomos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião