PCP avança com pedido para comissão parlamentar de análise à dívida

  • Margarida Peixoto
  • 19 Abril 2017

Comunistas formalizaram esta quarta-feira o pedido para a formação de uma comissão parlamentar eventual para avaliar o endividamento público e externo. PS tinha-se mostrado contra a ideia em março.

O PCP formalizou esta quarta-feira o projeto de deliberação para criar uma comissão parlamentar eventual para avaliar o endividamento público e externo. Os comunistas já tinham revelado esta intenção em março e o PS disse, na altura, estar contra a ideia. Também o PSD e o CDS se opuseram.

“A enorme dimensão da dívida pública constitui um sério problema que não pode ser escamoteado”, lê-se no texto da deliberação. Paulo Sá, deputado do PCP, explicou no final do debate de plenário desta tarde que é importante criar um espaço “próprio, exclusivo, para debate destas matérias com uma dimensão institucional”.

Para o PCP, explicou o deputado comunista ao ECO, a comissão de orçamento e finanças, que tem como funções acompanhar também estes assuntos, não chega para dar o devido peso ao tema. Esta comissão não perderia as suas funções, argumentou Paulo Sá, apenas seria acrescentado um espaço que pudesse aprofundar o assunto.

A ideia dos comunistas é que todos os grupos parlamentares tenham oportunidade de expor os seus pontos de vista e, até, de convidar personalidades para aprofundar o assunto.

A dívida pública portuguesa fechou 2016 nos 130,4% do PIB e ano após ano as perspetivas de entrada numa tendência claramente descendente têm vindo a ser adiadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP avança com pedido para comissão parlamentar de análise à dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião