Pedro Marques responsabiliza PSD pelo atraso no investimento público

  • Margarida Peixoto
  • 19 Abril 2017

O ministro do Planeamento responsabilizou o PSD pelo baixo investimento público concretizado em 2016, acusando a direita de ter deixado o ciclo do acesso a fundos europeus para autarquias parado.

Pedro Marques, ministro do Planeamento e Infraestruturas, defendeu esta tarde o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas no Parlamento.Paula Nunes/ECO

Pedro Marques, ministro do Planeamento e Infraestruturas, responsabilizou o anterior Governo, liderado por Pedro Passos Coelho, pela fraca execução do investimento público em 2016. O governante falava no debate desta quarta-feira sobre o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas, na Assembleia da República.

“Aumentámos para 35% o crescimento do investimento público em 2017”, começou por prometer Pedro Marques. E explicou: “Os valores a que chegamos resultam de podermos fazer com o investimento público o que fizemos em 2016 com o Portugal 2020 no investimento privado.” Em causa estão projetos públicos para reabilitação urbana e ferrovia, exemplificou.

“Quando chegámos ao Governo, não havia concursos para fazer investimento público”, acusou, defendendo que “era preciso aprovar concursos” e argumentando que há “um ciclo de investimento” que o Governo PSD/CDS-PP “durante dois anos deixaram parado.”

Em contrapartida, acenou com “números de hoje de Bruxelas” que dizem que Portugal é “o segundo país com maior absorção de fundos comunitários e pagamentos de fundos comunitários.”

Nuno Magalhães, deputado do CDS-PP, nem queria acreditar que Pedro Marques estivesse a argumentar com os números do investimento e lembrou o corte aplicado em 2016. “Vem falar de investimento? Que previa 7,8% e afinal caiu 0,1%? O investimento cresceu para baixo?” ironizou. Mais tarde, Pedro Mota Soares, também deputado do CDS-PP, subiria à tribuna para voltar a perguntar pelos números prometidos do investimento. E tal como já tinha feito Nuno Magalhães, desafiou o Governo a levar o seu Programa de Estabilidade a votos e a testar a coesão das “esquerdas unidas”, disse, referindo-se ao PS, BE e PCP.

Pelos Verdes, Heloísa Apolónia reconheceu as boas intenções do Governo de aumentar o investimento e a atividade produtiva, mas não hesitou em deixar uma crítica: “Há uma questão que faz parte de todos os discursos mas muito pouco da prática: o combate às assimetrias geográficas.”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Marques responsabiliza PSD pelo atraso no investimento público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião