Juncker sobre a Grécia: “Todo o esforço tem limites”

O presidente da Comissão Europeia saiu em defesa dos gregos, pedindo para não haver mais cortes nas pensões. Juncker quer um acordo no Eurogrupo sobre novo alívio da dívida.

O presidente da Comissão Europeia defendeu esta quarta-feira a posição da Grécia. Numa entrevista dada ao site grego Euro2day (conteúdo em grego), citada pelo espanhol Expansión, Jean-Claude Juncker argumenta que não se podem pedir mais cortes nas pensões gregas. “Nas democracias sociais todo o esforço tem limites”, afirmou o ex-primeiro-ministro do Luxemburgo que está ao comando da Comissão desde 2014.

Juncker revelou ainda que transmitiu esta opinião à diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde. “Expressei a opinião de que as instituições não devem impor mais cortes nos sistemas de pensões, uma vez que apenas a parte pobre da sociedade grega é que sofre”, referiu o líder do executivo europeu, não revelando a resposta de Lagarde. O FMI tem defendido que é preciso aliviar a dívida grega, além de pedir mais reformas, nomeadamente no sistema de pensões.

Jean-Claude Juncker vai mais longe dizendo que não se está a dar atenção suficiente ao bom desempenho que a economia grega tem registado. “Temos que reconhecer que a Grécia está a fazer um enorme progresso e seria mau se insistirmos em cortes maiores nas pensões porque nas democracias sociais todo o esforço tem limites”, argumentou. Juncker realçou que o excedente primário obtido pela Grécia em 2016 superou as expectativas das instituições.

O presidente da Comissão Europeia espera que no próximo Eurogrupo, a 22 de maio, haja um acordo para que se alivie a dívida grega. Na sua opinião as medidas de alívio “são muito necessárias”. Caso não haja aprovação das medidas, Juncker espera pelo menos que se discuta um plano sobre futuras medidas de alívio.

O líder do executivo comunitário disse ainda ter uma boa relação com o atual primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e que as decisões europeias têm de ter em conta a situação doméstica dos países “Há sempre de ter em conta a situação doméstica em que se encontra um Governo. É o que fazemos em todos os países e temo de fazer o mesmo com a Grécia”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juncker sobre a Grécia: “Todo o esforço tem limites”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião