Cowork: trabalhar longe dos escritórios convencionais

  • Juliana Nogueira Santos
  • 1 Maio 2017

O futuro do trabalho é a flexibilidade e os espaços de cowork são sinónimo disso. O ECO deixa cinco sugestões de espaços para criar novas ideias.

São cada vez mais as pessoas que decidem deixar de trabalhar para lá das portas de um escritório fixo e passam a trabalhar remotamente a partir de casa ou de qualquer outro sítio. Muitas são também aquelas que, ao enveredarem pelo caminho do empreendedorismo, deixam de ter acesso a um sítio fixo onde possam ter o seu escritório. Os espaços de cowork foram criados para mitigar estas dificuldades que as novas modalidades de trabalho têm trazido.

Freelancers, nómadas ou empreendedores encontram nestes novos centros de escritórios uma oportunidade de, como explica ao ECO Ana Redondo, Global Manager do LEAP Center, organizarem bem os seus negócios: “Empreendedores e atuais empresários procuram sobretudo opções flexíveis e de baixo custo, que os permita crescer de forma rápida, eficaz e desenvolver contactos facilmente, por isso passam a optar por modalidades de trabalho que possam representar a melhor escolha custo/benefício.”

Assim, estes espaços permitem alugar temporariamente uma mesa e uma cadeira, com acesso à rede de internet, às acomodações básicas como casas de banho, café e água, durante períodos que podem ir desde um dia até à domiciliação anual. Ficam para trás preocupações com aspetos estratégicos e burocráticos como contratar fornecedores, negociar preços e discutir contratos.

Juntar para inovar

Se todas as facilidades são um fator muito atrativo para esta nova geração de trabalhadores, o espaço criativo e inovador que se vive dentro destes espaços é o fator decisor. Ao juntar várias pessoas de várias áreas de negócio num mesmo espaço aumenta-se a probabilidade de interdisciplinaridade e de cooperação, valores indispensáveis atualmente.

Ainda assim, as regras e boas maneiras não podem ser descuradas nesta opção.“O principal desafio num espaço de cowork é saber trabalhar em comunidade de forma responsável. Tal como num escritório tradicional, num escritório partilhado também existem regras e é importante que sejam cumpridas para manter a harmonia da boa convivência”, informa Ana Redondo.

Outra das modalidades oferecidas por muitos dos espaços é o da criação de escritórios virtuais, em que a empresa é sediada no centro, mas não tem um espaço físico, havendo apenas a possibilidade de receber o correio e de atendimento telefónico no mesmo.

Este é o caso do LEAP, um centro de escritórios que além de ter à disposição espaços de cowork, permite também a domiciliação em regime de escritório virtual. E os resultados têm sido positivos: “O LEAP encerrou o ano de 2016 com uma taxa de ocupação de 100%, sendo que serviço de cowork registou uma taxa de ocupação de 88% e o serviço de escritórios virtuais registou um crescimento de 9%”, garante a Global Manager da marca.

No LEAP Center, sediado no centro empresarial das Amoreiras, os planos de cowork vão dos 50€ semanais aos 140€ mensais, sendo que a hipótese de escritório virtual localiza-se entre os 25€ e os 100€ mensais.

E será esta uma moda que vai passar rapidamente? “São cada vez mais as pessoas que escolhem o seu local de trabalho, fora dos escritórios convencionais, e certamente esta tendência irá permanecer”, confirma Ana Redondo.

Assim, são muitos os fatores a considerar na escolha de um espaço de cowork, desde os serviços oferecidos, até à possibilidade de escolha de um lugar fixo, sem esquecer o mais importante: o preço. Deixamos outras sugestões de espaços, tanto na cidade de Lisboa, como no Porto, para que a preocupação principal continue a ser o sucesso do negócio.

Coworklisboa

O Coworklisboa instalou-se no LxFactory em 2010 e desde então têm juntado ideias e projetos diferentes no mesmo espaço. Com várias opções de mesas, desde o lugar flexível à mesa dupla, os planos incluem acesso à internet, serviço de impressões e uma área de lounge para aqueles que trabalham bem melhor quando estão relaxados.

Planos: De 12€ a 250€

Morada: Lx Factory, Edíficio I, 4.º Andar – Lisboa

Contactos: info@coworklisboa.pt | 216 066 960

Lisbon WorkHub

Na revitalizada zona do Braço de Prata, em Lisboa, o Lisbon WorkHub apresenta-se como uma solução mais direcionada para o trabalho a longo prazo, visto que oferece planos de domiciliação mensais. Estes dão direito não só a uma mesa e a uma cadeira, mas também à utilização da cozinha, da internet e dos serviços de receção, 24 horas por dia. O espaço conta também com 10 startups residentes, entre as quais a Cerveja Independente Musa e a Adegga.

Plano mensal: 120€

Morada: Rua Amorim, 2 | Lisboa

Contactos: info@lisbonworkhub.pt | 218 680 445

OPO-LAB

Fundado em 2010 no Porto, o OPO-LAB assume-se como um centro multidisciplinar focado no ramo artístico, desde a arquitetura até à construção ou ao design. Para além do Fab Lab, um laboratório equipado para transformar qualquer ideia numa peça, este centro conta com um espaço de cowork com capacidade para 40 trabalhadores.

Planos: De 10€ (sem IVA) a 400€ (sem IVA)

Morada: Rua D. João IV, 643 – Porto

Contactos: info@opolab.com | 913 224 395

Cru Cowork

Sediada no coração do quarteirão das Artes no Porto, uma zona acessível e bem servida de serviços, a CRU Cowork tem vários espaços à disposição, desde mesas partilhadas a ateliers individuais, passando também pelo escritório virtual que inclui não só domicílio fiscal como receção de correspondência e utilização da sala de reuniões.

Além dos espaços de trabalho, a CRU Cowork conta com um estúdio e um laboratório de fotografia, uma oficina de serigrafia e espaços dedicados para workshops. Entre grandes decisões e negócios, os coworkers podem jogar pingue-pongue e descontrair no pátio.

Planos: De 25€ (sem IVA) a 90€ (sem IVA)

Morada: Rua do Rosário, 211 – Porto

Contactos: cru.cowork@gmail.com | 935 600 904

Comentários ({{ total }})

Cowork: trabalhar longe dos escritórios convencionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião