ANAREC pede explicações ao Governo sobre regulação do setor

A Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis quer que o Governo decida urgentemente o futuro da entidade que regula o setor. Falta de informação está a criar instabilidade.

A Associação Nacional dos Revendedores de Combustíveis (ANAREC) quer que o Governo decida com urgência o futuro da entidade que regula o setor. A ANAREC fala mesmo em alguma instabilidade na medida em que os revendedores não sabem a quem se dirigir depois de o parlamento ter aprovado a extinção da Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis (ENMC), avança a TSF.

O presidente da ANAREC, Francisco Albuquerque adianta que a informação que tem sido dado aos sócios é a que está tudo como no passado, uma vez que ainda não são conhecidas as competências que passarão para a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e para a Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG).

Para a ANAREC é urgente que o governo esclareça o que se passa uma vez que quase meio ano para extinguir a entidade reguladora de combustíveis é demasiado tempo.

A TSF falou ainda com Paulo Carmona, ex-presidente da ENMC que adianta que é praticamente impossível extinguir esta entidade devido aos enormes custos com um empréstimo contraído (360 milhões de euros) para pagar as reservas nacionais de petróleo.

Paulo Carmona adianta ainda que devido à indefinição à volta da ENMC há projetos de investimento de empresas que estavam em andamento em 2016 e que agora estão parados. O antigo presidente da ENMC refere que ninguém investe sem saber como fica a regulação do setor dos combustíveis.

Contactada pela TSF, fonte da secretaria de Estado da Energia garante que a ENMC será extinta, como aprovado no Parlamento, não referindo porém qualquer prazo. A mesma fonte diz ainda que estes processos demoram tempo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ANAREC pede explicações ao Governo sobre regulação do setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião