Wall Street no vermelho. Volatilidade em mínimos

  • Rita Atalaia
  • 9 Maio 2017

As bolsas norte-americanas oscilaram entre ganhos e perdas, mas Wall Street acabou por encerrar abaixo da linha de água. Isto numa altura em que a volatilidade está em mínimos de quase duas décadas.

As bolsas norte-americanas tiveram uma sessão morna. Os principais índices registaram poucas alterações, encerrando abaixo da linha de água penalizadas pela queda dos preços do petróleo nos mercados internacionais.

Neste contexto, o índice S&P 500 desceu 0,11% para 2.396,84 pontos e o índice industrial Dow Jones recuou 0,17%, com as empresas petrolíferas em queda. A Exxon Mobil, por exemplo, encerrou a perder 0,68% numa sessão em que o petróleo perdeu mais de 1% tanto em Londres como em Nova Iorque.

Apenas o tecnológico Nasdaq conseguiu escapar a esta tendência, subindo 0,29% e mantendo-se em máximos históricos. A Apple voltou a valorizar, tocando um novo máximo histórico. Está a valer quase 802 mil milhões de dólares.

Depois de a vitória de Emmanuel Macron nas eleições presidenciais francesas no passado fim de semana ter dissipado um dos principais receios dos investidores no plano político em 2017, a tranquilidade tomou conta do mercado de ações, o que ficou patente nas ligeiras variações registadas na sessão. Em Wall Street, o índice que mede a volatilidade das cotações das empresas do S&P 500 caiu para o nível mais baixo desde 1993.

“Será que a falta de medo reflete um mercado cansado e exausto que acredita que a ausência de volatilidade é normal ou isto é um exemplo de uma enorme complacência?”, questiona o estratega Bill Blain, da Mint Partners, à Bloomberg.

O VIX caiu mais de 7% na sessão desta segunda-feira. Trata-se do nível mais baixo desde que este índice que mede o medo dos investidores foi criado, há mais de duas décadas. Na Europa, o índice que calcula a volatilidade do Stoxx 50, o Vstoxx, acompanhou a queda mas para o valor mais baixo desde meados de março deste ano.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Wall Street no vermelho. Volatilidade em mínimos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião