Pensões antecipadas sem cortes aos 40 anos de descontos põem em causa sustentabilidade

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 17 Maio 2017

PCP defende reformas antecipadas sem cortes para quem tem 40 anos de descontos. Ministro avisa que a sustentabilidade do sistema ficaria comprometido.

O ministro Vieira da Silva defendeu esta quarta-feira que a sustentabilidade da Segurança Social ficaria ameaçada no curto e médio prazo se as pensões antecipadas fossem atribuídas sem qualquer corte a quem conta 60 anos de idade e 40 de descontos.

Em resposta ao PCP no Parlamento, Vieira da Silva começou por recordar que essa situação nunca existiu, nem quando o sistema era excedentário. A avançar, iria colocar problemas no curto e médio prazo de “enorme dimensão”, acrescentou, explicando que estaria em causa uma mudança de “paradigma” que obrigaria a “um esforço de natureza contributiva ou fiscal” muito grande.

O Governo vai reduzir os cortes nas pensões antecipadas mas, em contrapartida, também vai travar o acesso a este regime. Atualmente, a reforma antecipada na Segurança Social está disponível para quem tem 60 anos de idade e 40 de carreira mas, de acordo com a proposta em negociação com os parceiros, no futuro exige-se que os trabalhadores tenham 40 anos de desconto aos 60 de idade. Se hoje um trabalhador pode abandonar o mercado de trabalho aos 61 anos de idade e 40 de descontos, por exemplo, no futuro esta opção desaparece, no pressuposto de que esta pessoa aos 60 anos de idade só tinha 39 de descontos.

Porém, quem conseguir aceder à reforma antecipada contará com menos cortes. As novas regras só abrangem o regime geral da Segurança Social — excluindo por exemplo a função pública e o regime de desemprego de longa duração — mas o Governo já tinha admitido alguma convergência com outros sistemas. Hoje, Vieira da Silva voltou a salientar a mesma ideia: “acompanharemos outros regimes de reforma antecipada com algumas das conclusões”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pensões antecipadas sem cortes aos 40 anos de descontos põem em causa sustentabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião