Kyaia entra no negócio dos chinelos ecológicos de Pedro Abrantes e da Amorim

  • Lusa
  • 29 Maio 2017

O grupo Kyaia entrou no capital da Ecochic, startup do designer Pedro Abrantes e da Amorim Cork Ventures que detém a marca "ASPORTUGUESAS", tida como a "primeira do mundo" em chinelos de cortiça.

O maior fabricante nacional de calçado, do empresário Fortunato Frederico, associa-se assim ao projeto desenvolvido na incubadora do líder mundial de cortiça, o que permitirá reforçar nos Estados Unidos e no Reino Unido a rede de distribuição dos chinelos lançados no mercado em 2016.

“ASPORTUGUESAS trazem consigo um novo conceito de flip-flops [chinelos de dedo], pelo que, perante a oportunidade de nos tornarmos sócios deste projeto, não hesitámos em avançar com a parceria”, explica Fortunato Frederico.

"ASPORTUGUESAS trazem consigo um novo conceito de flip-flops [chinelos de dedo], pelo que, perante a oportunidade de nos tornarmos sócios deste projeto, não hesitámos em avançar com a parceria.”

Fortunato Frederico

CEO do Grupo Kyaia

“Apesar de sermos uma empresa com uma longa atividade e know-how no negócio do calçado, com este acordo entraremos pela primeira vez no segmento dos flip-flops, com um produto que consideramos ter grande potencial”, realça o responsável do grupo que detém marcas como a Fly London e a Foreva, em cujas lojas os chinelos de cortiça passarão agora a estar disponíveis.

Pedro Abrantes, que está neste momento a apresentar a terceira coleção de ASPORTUGUESAS, encara a entrada do novo sócio como uma oportunidade de crescimento em termos de produção, logística e distribuição, sendo prioridade reforçar a presença nos mercados britânico e norte-americano, que são os principais destinos de exportação da Kyaia.

“Depois do apoio da Corticeira Amorim, cujas valências de investigação e desenvolvimento foram fundamentais para a maturidade do produto, o apoio da Kyaia acelerará agora o processo de crescimento internacional, que beneficiará da rede comercial deste parceiro”, defende o diretor-geral da Ecochic.

A ‘startup’ (empresa em início de atividade e com grande potencial de crescimento) Ecochic foi criada em junho de 2015 na sequência da primeira “call for projects” por iniciativa da Corticeira Amorim. Os flip-flops concebidos por Pedro Abrantes distinguiram-se por exibirem uma sola de peça única fabricada num compósito de cortiça que lhes garantia “maior elasticidade e compressibilidade” do que calçado idêntico em outros materiais.

Desde o lançamento em março de 2016, esses chinelos chegaram a diferentes mercados estrangeiros, “principalmente no Médio Oriente, mas também nos Estados Unidos, França, Alemanha e Reino Unido”.

Sem revelar o volume de negócios no primeiro ano de vendas, o responsável diz que essas “praticamente se limitaram a ‘e-commerce’ [comércio eletrónico] e ao website da marca”, mas garante que “foram vendidos milhares de flip-flops”.

Pedro Abrantes realça que até aqui os seus esforços estiveram concentrados no desenvolvimento do produto e na resposta eficiente às encomendas. “Mas com a entrada da Kyaia, muda-se radicalmente o perfil do negócio: ASPORTUGUESAS deixarão de ter como principal canal de venda o e-commerce e, mais importante do que isso, beneficiarão da forte rede comercial do grupo, pelo que se espera um crescimento nas vendas muito significativo, especialmente fora de Portugal”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Kyaia entra no negócio dos chinelos ecológicos de Pedro Abrantes e da Amorim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião