Como a melhor Academia da Europa chegou a Portugal

Inovação e empreendedorismo são pilares fundamentais do banco e da European Innovation Academy, prestes a arrancar pela 1ª vez em Portugal.

É uma espécie de história de amor que só atinge personalidades com muito em comum. A inovação e o empreendedorismo, tal como o investimento na comunidade — sobretudo nas universidades — “sempre fizeram parte da identidade do grupo Santander em todo o mundo”, explica a administradora Inês Oom de Sousa. Por isso, quando os olhares do banco e da European Innovation Academy (EIA) se cruzaram, fez-se magia. É que os caminhos por onde andam os dois são comuns.

“Uma parceria como esta faz parte de um compromisso maior, que confirma o ADN do Santander Totta: o de apostar em projetos que promovam o contacto entre o Ensino Superior e o mundo empresarial e que resulte cada vez mais numa transferência direta de resultados de investigação e de conhecimento para a comunidade”, explica Inês Oom de Sousa, administradora do banco Santander Totta.

Foi assim que esta história começou: interesses comuns, uma conjugação de vontades e datas específicas para levar a cabo o plano. A estreia da academia — o maior programa universitário de aceleração em Inovação Digital da Europa — em Portugal é fruto dessa atração. Pela primeira vez no país, o programa conta com a participação de aceleradoras de Silicon Valley, e com a colaboração com instituições de topo como a UC Berkeley, a Stanford University e a Google.

A EIA vai reunir reunir os melhores estudantes universitários de universidades de todo o mundo: os participantes terão de formar equipas de empreendedores que vão trabalhar durante essas três semanas com formadores, mentores e empresas de capital de risco. “Será um programa intensivo, onde cada equipa irá criar um projeto para ser apresentado aos investidores. É uma oportunidade única para os participantes, que podem aproveitar todo este know how para lançar a sua startup no mercado. O impacto que poderá ter nas suas vidas pessoais e profissionais é imensurável – será seguramente uma experiência transformadora”, garante Inês Oom, em entrevista ao ECO.

Este é, em nossa opinião, o primeiro passo na garantia de geração de riqueza futura para o nosso país.

Inês Oom

Administradora Santander Totta

“As universidades e os projetos a elas associados sempre foram uma das nossas maiores prioridades. Continuaremos a fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para integrar projetos inovadores como este, que acrescentam valor ao país e a quem nele vive”, assegura a administradora do banco.

No final, o banco vai atribuiu 35 bolsas aos estudantes de maior potencial para que participem nas três semanas da Academia.

"Se olharmos para o nosso país, vemos que estamos a posicionar-nos com um dos países europeus mais dinâmicos na área do empreendedorismo e inovação, e isso deve-se à excelente formação dos nossos jovens, aliada à criatividade e vontade necessárias ao desenvolvimento deste potencial de inovação e empreendedorismo.”

Inês Oom

Administradora Santander Totta

A parceria com a academia europeia de inovação e empreendedorismo tem ainda outro objetivo em vista: desenvolver projetos que tornem o banco numa referência para a banca digital. “Lançámos um plano de transformação multicanal, que está a mudar a forma como o Banco se relaciona com os Clientes, com o lançamento de produtos e serviços digitais, que visam facilitar o dia-a-dia das pessoas”, esclarece ainda Inês Oom.

 

Inês Oom de Sousa

Ao nível da Responsabilidade Social, o Santander Totta vai continuar também a investir em Formação, Ensino e Conhecimento – cerca de 5,9 milhões de euros por ano, através dos cerca de 50 convénios que tem atualmente com Instituições de Ensino Superior em Portugal. O Empreendedorismo e Inovação, a Mobilidade e a Empregabilidade concentram grande parte do investimento, com o desenvolvimento e apoio a vários projetos.

A EIA é um programa de empreendedorismo, que reúne os melhores estudantes universitários de conceituadas universidades americanas, asiáticas e europeias. O programa contará com 400 participantes, de 63 nacionalidades, oriundos de 40 universidades.

Comentários ({{ total }})

Como a melhor Academia da Europa chegou a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião