Oito mil contribuintes fintam adicional ao IMI

O novo imposto introduzido no Orçamento do Estado para 2017 levou oito mil contribuintes a dividir ou conjugar o seu imobiliário de forma a não serem abrangidos pelos critérios do adicional ao IMI.

Cerca de oito mil contribuintes optaram, nas declarações entregues em abril e maio, por separar ou conjugar o seu património imobiliário, de forma reduzir ou até anular a fatura do adicional ao IMI (AIMI) em setembro. Em causa estão duas situações: os que têm imóveis a herdar entregaram uma declaração para afastar a equiparação da herança a pessoa coletiva; os casais que optaram pela tributação conjunta de forma a duplicar o valor patrimonial que fica isento de AIMI.

Segundo os dados que o Ministério das Finanças forneceu ao ECO, foram entregues 4.475 declarações à Autoridade Tributária e Aduaneira de forma a dividir o valor patrimonial da herança por todos os herdeiros e a afastar a equiparação da herança a pessoa coletiva para efeitos do adicional ao IMI. Assim, esses imóveis podem ficar fora do novo imposto ou reduz-se o valor a pagar.

No segundo caso, foram 3.479 declarações entregues por casais, optando pela tributação conjunta e, desta forma, duplicando o valor patrimonial isento que passa a ser 1,2 milhões de euros (600 mil + 600 mil euros). Ao todo são assim cerca de oito mil contribuintes que tentam fintar o AIMI, reduzindo a fatura a pagar ou até escapando ao seu pagamento.

Em ambos os casos, a taxa aplicada é de 0,7% quando o património excede os 600 mil euros e 1% na parte em que exceder um milhão de euros. Já os contribuintes coletivos (empresas) vão pagar uma taxa de 0,4% sobre a totalidade do VPT dos imóveis detidos. Os prédios que pertençam a entidades sujeitas a um regime fiscal mais favorável, os chamados paraísos fiscais, ficam sujeitos a uma taxa de 7,5%.

Em março deste ano, a Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) lançou um serviço de aconselhamento fiscal, prometendo que quem o utilizar iria poupar “centenas ou milhares de euros”. Uma das dicas para este ano passa pela reabilitação do património dado que esse estatuto concede isenções de IMI durante três ou cinco anos. Outra possibilidade é vender o património ou doá-lo, operando assim uma reavaliação da carteira de ativos imobiliários. Como o imposto deste ano é calculado a partir do valor patrimonial a 1 de janeiro de 2017, este tipo de operações só terá efeito no imposto a pagar no próximo ano.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oito mil contribuintes fintam adicional ao IMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião