Empresas de rent-a-car fazem subir venda de automóveis

  • ECO
  • 20 Junho 2017

O turismo é o principal fator a impulsionar a compra de carros pelo setor de aluguer. Nos primeiros cinco meses de 2017, estas empresas foram responsáveis por mais de um quarto das vendas.

As empresas de aluguer de automóveis foram responsáveis por 26% das compras de carros em Portugal nos primeiros cinco meses de 2017, num total de 25.655 ligeiros vendidos para este setor. O principal fator que impulsiona estas compras, segundo o Diário de Notícias desta terça-feira, é o turismo.

Para fazer frente a uma maior procura dos turistas, que chegam a Portugal em números maiores, as empresas de rent-a-car têm de aumentar os seus automóveis. Segundo explicou ao jornal o secretário-geral da Associação dos Industriais de Aluguer de Automóveis sem Condutor (ARAC), prevê-se que a época alta traga mais 10 a 11% de turistas. “Para os meses de verão, esperamos um crescimento no número de alugueres de 8%”, afirmou Joaquim Robalo de Almeida. Mais de metade do volume de negócios deste tipo de empresas é explicado pelo turismo.

As empresas de rent-a-car são, assim, responsáveis por mais de um quarto dos 102 mil automóveis vendidos em Portugal até ao final de maio, segundo valores da Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Os turistas ingleses são os que mais procuram os carros de aluguer, representando 40% do mercado, seguidos dos franceses, alemães e italianos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas de rent-a-car fazem subir venda de automóveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião