Governo de Theresa May venceu primeiro teste no parlamento britânico

  • Lusa
  • 29 Junho 2017

O Governo de Theresa May passou com sucesso o seu primeiro teste no parlamento antes do voto de confiança que terá lugar esta quinta-feira.

O Governo de Theresa May, fragilizado depois das eleições legislativas de 8 de junho, passou com sucesso o seu primeiro teste no parlamento britânico, ao derrotar uma emenda da oposição sobre as medidas de austeridade.

Os deputados votaram contra a alteração legislativa por 323 votos contra 309, sendo que este primeiro resultado é sobretudo encorajador para a primeira-ministra Theresa May, na véspera do voto de confiança do parlamento, esta quinta-feira.

Os conservadores alcançaram, na segunda-feira, um acordo in extremis com os unionistas do DUP, que, em contrapartida, conseguiram do governo a promessa de um financiamento de mil milhões de libras suplementares (cerca de 1,1 mil milhões de euros) a favor da Irlanda do Norte.

A alteração legislativa apresentada pelo Partido Trabalhista pedia o fim dos cortes no orçamento da polícia e dos bombeiros e a revalorização dos salários do setor público, que nos últimos anos tem vindo a crescer de forma mais lenta do que a inflação.

Um estudo publicado hoje pelo Centro Nacional de Investigação Social revelou que 48% da população britânica é favorável a um aumento de impostos com vista ao crescimento do investimento público, o valor mais alto da última década.

Por outro lado, uma fonte de Downing Street, citada pela agência de notícias France-Presse, referiu um possível abrandamento nas medidas de austeridade, indicando que poderiam ser revistos em alta os salários do setor público.

“Compreendemos que os eleitores estejam cansados depois de anos de trabalho duro para reconstruir a economia”, declarou a mesma fonte.

Mais tarde, um porta-voz de Downing Street contrariou aquelas declarações, sublinhando que a política do governo não mudou e que nenhuma decisão está tomada antes da votação do orçamento, previsto para o outono.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo de Theresa May venceu primeiro teste no parlamento britânico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião