Filas mais demoradas no aeroporto levam ANA a vigiar atividade do SEF

  • ECO
  • 22 Julho 2017

Gestora aeroportuária monitorizou atividade do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras na sequência do aumento das horas de espera no controlo de passaportes à entrada no aeroporto de Lisboa.

O aumento das horas de espera no controlo de passaportes no aeroporto de Lisboa levou a gestora ANA a vigiar a atividade dos agentes do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). E os dados da gestora aeroportuária são reveladores: em média, apenas 11 das 16 cabines do SEF foram utilizadas por dia durante o mês de junho, revela o Expresso. O Diário de Notícias mostra que as esperas de mais de uma hora para entrar na capital subiram 500% desde o início do ano.

De acordo com o semanário, a ANA esteve a monitorizar o trabalho do SEF por observação local e através de um sistema com câmaras e software. Os dados mostram que somente em 12 dias as boxes onde os inspetores do SEF fazem o controlo de fronteiras estiveram ocupadas acima dos 80% da capacidade total durante junho.

Citando dados da gestora de aeroportos, também o Diário de Notícias revela (acesso gratuito) que em metade dos dias de 2017 houve passageiros que aterraram no aeroporto de Lisboa a esperar mais de uma hora no controlo de passaportes do SEF.

Em comparação com os registos dos anos anteriores, aquele jornal conclui que a situação está a agravar-se. “Em 2016, apenas em 9% dos dias houve filas de mais de 60 minutos e em 2015 em 7,2%”, afirma. “Comparando os primeiros seis meses deste ano, com igual período de 2016, o aumento do número de dias a ultrapassar a hora de espera foi de 500%”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Filas mais demoradas no aeroporto levam ANA a vigiar atividade do SEF

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião