Santana Lopes sobre Santa Casa: “Financiamento até pode vir do petróleo”

O provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que não há nenhum negócio onde não entre, "desde que venha de fontes legítimas". "Qualquer atividade económica legítima pode interessar à SCML", garante.

Foi há um mês que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) e a Associação Mutualista Montepio Geral assinaram um protocolo. No horizonte está a entrada no capital do Montepio para torná-lo num “banco social”. Ainda que Santana Lopes tenha mostrado dúvidas quanto ao negócio, a vontade do provedor é diversificar as fontes de financiamento da SCML. Em declarações ao Expresso (acesso pago) este sábado, garante que o objetivo final será sempre ajudar os necessitados.

O financiamento para essas atividades até pode vir do petróleo.

Pedro Santana Lopes

Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

É o jogo que dá mais receita à Santa Casa, mas o peso dessa fonte de financiamento pode vir a diminuir no futuro. Santana Lopes quer diversificar os negócios da Santa Casa: “Poder-se-ia dizer que a Santa Casa estava a alterar a sua natureza se o destino das verbas passasse a ser diferente“, admite, mas garante que isso não acontecerá. “O nosso core business continua a ser a ação social e a saúde”, assegura, referindo que “o financiamento para essas atividades até pode vir do petróleo”.

Pedro Santana Lopes ataca os seus críticos, assinalando que a Santa Casa só irá integrar “atividades económicas legítimas”. “Os puritanos nunca se chocaram que 70% a 80% das nossas receitas venham do jogo… Por mim, pode vir do petróleo ou de um parque de diversões, desde que venha de fontes legítimas“, garante ao semanário, acrescentando que o negócio terá de ser atrativo do ponto de vista da rentabilidade.

Na opinião do provedor, “é má gestão não rentabilizar devidamente as disponibilidades financeiras”. Para Santana Lopes é preciso encontrar um equilíbrio, assegurando o apoio aos pobres, mas também fazendo “opções, como esta do Montepio”.

È má gestão não rentabilizar devidamente as disponibilidades financeiras.

Pedro Santana Lopes

Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Segundo o Expresso, o património da Santa Casa de Lisboa passa por mais de 600 imóveis e 675,2 milhões de euros em capitais próprios, no ano passado, dos quais 197,8 milhões de euros estavam parados em bancos. O semanário avança que a estimativa de vendas brutas dos jogos sociais é de três mil milhões de euros em 2017, face aos 2,7 mil milhões de euros no ano passado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Santana Lopes sobre Santa Casa: “Financiamento até pode vir do petróleo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião