45 mil famílias saíram de incumprimento no último ano

O número de famílias em incumprimento com os seus créditos atingiu no final de junho mínimos históricos. Cerca de 564 mil famílias estavam nessa situação.

O número de famílias em situação de incumprimento com créditos atingiu no final do primeiro semestre deste ano um mínimo histórico. Eram cerca de 563,5 mil as famílias em falha com o pagamento dos seus créditos, no final de junho. Este é o valor mais baixo desde março de 2009, período a que remonta o histórico disponibilizado pelo Banco de Portugal.

A quebra do número de situações de incumprimento coincide com a melhoria da situação económica do país que ajudou muitas famílias a virarem costas ao flagelo do incumprimento. Não só a economia começou a crescer a um ritmo bastante mais acelerado, como o desemprego recuou para mínimos de nove anos, com muitas pessoas a regressarem ao mercado do trabalho e assim conseguirem cumprir com os seus compromissos financeiros.

A melhoria do quadro económico em Portugal permitiu que só no último ano, perto de 45 mil famílias tivessem deixado de fazer parte de lista de incumpridores com créditos. Em termos homólogos, trata-se da maior quebra de sempre do histórico disponibilizado pela instituição liderada por Carlos Costa.

A diminuição das situações de incumprimento foi transversal a todas as categorias de crédito às famílias. No caso do crédito à habitação — a categoria de crédito que tendencialmente só em último caso os devedores deixam de cumprir — o número de situações de incumprimento encolheu em 24,7 mil no último ano, para se fixar no final de junho num mínimo histórico de cerca de 121,3 mil.

Também no crédito ao consumo se registou uma quebra acentuada no número de devedores em falha com as prestações dos empréstimos (de salientar que a mesma pessoa pode ser devedora de mais do que um crédito), com este a totalizar 506,3 mil no final de junho. Ou seja, menos 43 mil face ao mesmo mês do ano anterior.

A quebra do número de situações de incumprimento nestes dois segmentos de crédito aconteceu em paralelo com a diminuição do bolo do malparado. Nas famílias, o total do crédito em incumprimento na habitação encolheu para mínimos de dezembro de 2011, para se fixar no final de junho nos 2.101 milhões de euros. Já no crédito ao consumo, o malparado fixou-se no final de junho nos 702 milhões de euros. Ou seja, a fasquia mais baixa desde agosto de 2008.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

45 mil famílias saíram de incumprimento no último ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião