Trump admite ação militar na Venezuela

  • ECO
  • 12 Agosto 2017

"Temos muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar, se for necessário", disse Donald Trump, numa escalada de tom contra o regime de Nicolás Maduro.

O Presidente norte-americano, Donald Trump ameaçou, na sexta-feira, avançar com uma intervenção militar contra a Venezuela. Uma subida de tom surpreendente contra o regime do Presidente venezuelano Nicolás Maduro e contra a crise política que se Caracas e que Trump classificou de “loucura”.

“Temos muitas opções para a Venezuela. É um país vizinho. Estamos em todo o mundo. Temos tropas em todo o mundo em locais muito longínquos. A Venezuela não fica muito longe. E as pessoas estão a sofrer e a morrer. Temos muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar, se for necessário”, disse Trump, citado pela Reuters (conteúdo em inglês), ladeado pelo chefe da diplomacia americana.

Entretanto o Pentágono já garantiu que não recebeu qualquer ordem por parte do Chefe de Estado para avançar com esta “opção militar” e que as suspeitas de uma eventual invasão da Venezuela são infundadas. Mas Trump foi claro: “Uma opção militar é algo que poderemos certamente levar a cabo”, disse, acrescentando, contudo que não pode falar sobre o tema, quando questionado se a operação militar seria liderada pelos Estados Unidos.

Em Caracas a ameaça foi recebida como um novo apoio à oposição que contesta o Governo de Maduro e rejeita a eleição da nova Assembleia Nacional Constituinte que está a usurpar o poder substituindo o Parlamento eleito democrático e que visa alterar a Constituição e reforçar o poder do Presidente. O ministro venezuelano da Defesa, Vladimir Padrino, classificou a ameaça de “um ato de loucura”. As autoridades venezuelanas há muito que acusam os EUA de estarem a planear uma invasão. Um antigo general disse à Reuters, no início do ano, que alguns mísseis foram colocados ao longo da costa do país precisamente para essa eventualidade.

A Casa Branca disse que o Presidente venezuelano solicitou uma chamada telefónica com Trump, na sexta-feira, avança a Reuters, mas que foi recusada, com o comentário de que Tump falaria, de bom grado, com Maduro quando a democracia voltar a ser reinstaurada no país.

Nações da América Latina preparam censura escrita a Trump

As nações da América Latina, lideradas pelo Peru estão a negociar uma repreensão por escrito ao Presidente norte-americano, depois de este ter tido que estava a ponderar uma “opção militar” relativamente à Venezuela.

O Peru foi o primeiro país a condenar a ameaça de Trump de resolver a crise politica e social na Venezuela através do uso da força e está, segundo a Reuters (conteúdo em inglês), a negociar com outras nações da região uma resposta por escrito. A informação foi avançada pelo ministro peruano dos Negócios Estrangeiros, Ricardo Luna, numa declaração enviada em exclusivo para a Reuters este sábado.

Notícia atualizada às 16h46 com a resposta das nações latino-americanas

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Trump admite ação militar na Venezuela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião