‘Glamping’ está na moda no Norte e nem incêndios afastam turistas

  • Lusa
  • 13 Agosto 2017

Junção das palavras ‘glamour’ e ‘camping’, o 'glamping' é nova tendência turística no Norte de Portugal, e nem os incêndios afastam os turistas desejosos por descanso.

Tenda do Carmo’s Boutique, Ponte de Lima, 4 de agosto de 2017. O ‘glamping’, junção das palavras ‘glamour’ e ‘camping’, é a nova tendência turística no Norte de Portugal, com taxas de ocupação a roçar os 100%, onde nem incêndios afastam os turistas desejosos por descanso na natureza com luxos. José Coelho/LUSAJosé Coelho/LUSA 13 Agosto, 2017

“Claro que houve clientes preocupados a telefonarem para saber se havia problemas para fazer ‘glamping’ [por causa dos incêndios], mas isso não afetou as reservas”, afiançou à Lusa Maria do Carmo, sócia gerente do Carmo’s Boutique, empreendimento que inaugurou este verão, no Alto Minho, duas tendas de ‘glamping’ rodeadas por jardins e vinhas de casta loureiro e que, desde a abertura, tem estado com lotação esgotada.

As tendas suite ‘deluxe’ do Carmo’s Boutique, suspensas por pequenos pilares em terras de Gemieira, no concelho de Ponte de Lima, fazem parte da cadeia de ‘small luxury hotels’ e estão a ter uma receção “ótima”, com turistas portugueses, mas também oriundos da Bélgica, Holanda, França ou Estados Unidos, a quererem desligar do ‘stress’ e recarregar baterias em camas de ferro minhotas com dossel ou tomar banho com vistas sobre a Serra D’ Arga.

“É um sonho, tem toda a comodidade e há quase uma África junto ao rio Lima”, comenta Maria do Carmo.

É um sonho, tem toda a comodidade e há quase uma África junto ao rio Lima.

Maria do Carmo

Sócia gerente do Carmo’s Boutique

Um pouco mais para o interior minhoto, o ‘glamping’ do Lima Escape, no lugar de Entre Ambos-os-Rios (Ponte da Barca), e inserido no Parque Nacional de Peneda-Gerês, a taxa de ocupação está quase nos 100% tanto nas tendas “Tipi”, de estilo oriental, como nas “Glamour Bell”, com cinco metros de diâmetro.

A Casa da floresta e os ‘bungalows’, antigos contentores marítimos revestidos a madeira, e suspensos no meio de carvalhais à beira do rio Lima, estão também com lotação até ao final de agosto, conta Anna Altshul, sócia-gerente do empreendimento, acrescentando que o denominador comum nos seus hóspedes é a busca pelo “contacto direto com a natureza, mas sem perder os hábitos mais sofisticadas e o conforto que uma habitação oferece”.

Os incêndios registados em 2016 nos distritos de Viana do Castelo, Aveiro, Viseu, Braga e Vila Real, e o de junho deste ano em Pedrógão Grande, que matou 64 pessoas, assustaram alguns clientes do Lima Escape com reservas, designadamente ingleses e holandeses, explicou Anna Altshul. Contudo a anulação de reservas foi residual, sublinhou. “Estavam com medo dos incêndios. O de Pedrógão Grande saiu em todos os canais de televisão e jornais”, recordou Anna Altshul.

O ‘glamping’ da Quinta de Figo Verde nasceu de um amor entre um belga e uma portuguesa há cinco anos em Arcos de Valdevez, no distrito de Viana do Castelo, e a procura turística tem vindo a crescer, com clientes repetentes e reservas pela plataforma na Internet Airbnb, conta Ana Soromenho, sócia gerente de Figo Verde.

Os clientes do Figo Verde são, por norma, informados e as notícias dos incêndios trouxeram “preocupações” e “vários telefonemas para perceber se havia perigo na estadia”, mas, segundo Ana Soromenho, não houve cancelamentos. Figo Verde alia o ‘glamping’ à permacultura (criação de ambientes humanos sustentáveis), para minimizar a pegada ecológica e, por isso, as casas de banho são com compostagem, as águas são tratadas para rega e há painéis solares.

Tomar banho de água quente debaixo das estrelas, comer uma piza em forno a lenha ou ir apanhar amoras para o pequeno-almoço são experiências que os hóspedes daquele ‘glamping’ podem ter para ajudar a “desligar da loucura da cidade”. “As pessoas vêm para aqui mesmo para fazer um ‘break’ (intervalo) e podem vir tomar banho no rio, fazer uma massagem ou uma aula de ioga”, refere Ana Soromenho, acrescentando que todos os clientes anseiam por um “refúgio na natureza”.

As pessoas vêm para aqui mesmo para fazer um ‘break’ (intervalo) e podem vir tomar banho no rio, fazer uma massagem ou uma aula de ioga.

Ana Soromenho

Sócia gerente de Figo Verde

Também no Nomad Planet, em Fiães do Rio (Montalegre, Vila Real), há ‘glamping’ com vistas panorâmicas para o Parque Nacional da Peneda-Gerês a partir de ‘yurts’, tendas da Mongólia tradicionais, ou da casa da árvore ‘Toca do Lobo’, nome em honra do lobo ibérico, espécie em vias de extinção.

A taxa de ocupação do ‘glamping’ do Nomad Planet, criado há cerca de três anos, está quase sempre a 100% nos meses de verão, conta o responsável Vítor Afonso, referindo que regista um aumento de interesse de ano para ano, tanto no mercado nacional, como no mercado internacional, principalmente alemão, holandês, francês e espanhol.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

‘Glamping’ está na moda no Norte e nem incêndios afastam turistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião