CASA-CE quer ser a chave para “geringonça angolana”

  • Lusa
  • 20 Agosto 2017

Abel Chivukuvuku, mostrou-se convicto de que aquela força será, pelo menos, parte do novo Governo, não excluindo uma "coligação à angolana" com UNITA ou MPLA.

O cabeça-de-lista da CASA-CE às eleições gerais angolanas de quarta-feira, Abel Chivukuvuku, mostrou-se hoje convicto de que aquela força será, pelo menos, parte do novo Governo, não excluindo uma “coligação à angolana” com UNITA ou MPLA.

“Nós já anunciamos no ano passado que a CASA-CE tem probabilidade de ser Governo. Se não for Governo, no mínimo vai ser parte do Governo”, afirmou Abel Chivukuvuku, confrontado pelos jornalistas com a disponibilidade já demonstrada pelo presidente e candidato da União para a Independência Total de Angola (UNITA), Isaías Samakuva, para um entendimento pós-eleitoral.

“Por Angola, pela mudança, temos que por todas as portas abertas”, admitiu Chivukuvuku, classificando esse hipotético entendimento como uma “gerigonça angolana”.

O líder daquela coligação, atualmente segunda maior força da oposição, falava aos jornalistas à margem do comício de encerramento da campanha da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitora (CASA-CE) em Luanda, que concentra desde as primeiras horas da manhã milhares de apoiantes no centro da capital angolana.

A possibilidade de entendimento pós-eleitoral com o partido no poder em Angola desde 1975 também não é totalmente colocada de parte por Abel Chivukuvuku, cabeça-de-lista da CASA-CE e candidato à eleição, indireta, para Presidente da República de Angola.

“Com este MPLA não, tinha de ser um MPLA diferente”, disse.

Por sua a vez, o cabeça-de-lista do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), João Lourenço, tem vindo a repetir os apelos ao voto e à conquista de uma maioria qualificada nestas eleições, afirmando que aquele partido é o único que pode garantir a estabilidade em Angola.

O presidente da UNITA, Isaías Samakuva, disse na quinta-feira, à Lusa, acreditar ser possível replicar em Angola uma solução governativa semelhante à “geringonça” em Portugal, entre PS, PCP e Bloco de Esquerda.

O cabeça-de-lista da UNITA às eleições gerais de Angola admitiu uma coligação pós-eleitoral com os partidos da oposição, nomeadamente a CASA-CE, “se as condições e as circunstâncias” o exigirem.

"Penso que poderei dizer que sim, porque antes de acontecer em Portugal ninguém falava disso. Antes de acontecer em Portugal ninguém falava dessa fórmula. Quando aconteceu em Portugal parece que as pessoas despertaram para uma realidade de que afinal é possível.”

Isaías Samakuva

Presidente da UNITA

“Desde que as condições, as circunstâncias no momento nos forcem a isso, não hesitaremos”, disse Isaías Samakuva.

O presidente e candidato do maior partido da oposição angolana assumiu que esta é uma proposta inspirada, em certa medida, pela solução encontrada em Portugal entre o PS, o PCP e o Bloco de Esquerda (com acordos separados a possibilitar a governação do segundo partido mais votado nas eleições de 2015, o PS).

“Penso que poderei dizer que sim, porque antes de acontecer em Portugal ninguém falava disso. Antes de acontecer em Portugal ninguém falava dessa fórmula. Quando aconteceu em Portugal parece que as pessoas despertaram para uma realidade de que afinal é possível”, explicou à Lusa, após a ação junto dos militantes.

“Se chegarmos à posição de Portugal – na qual os partidos da esquerda juntos foram capazes de formar uma maioria – nós poderemos fazê-lo. O essencial é afastar o MPLA”, completou.

Angola vai realizar eleições gerais a 23 de agosto deste ano, às quais concorrem o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), Partido de Renovação Social (PRS), Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e Aliança Patriótica Nacional (APN).

A Comissão Nacional Eleitoral de Angola constituiu 12.512 assembleias de voto, que incluem 25.873 mesas de voto, algumas a serem instaladas em escolas e em tendas por todo o país, com o escrutínio centralizado nas capitais de província e em Luanda, estando 9.317.294 eleitores em condições de votar.

A Constituição angolana aprovada em 2010 prevê a realização de eleições gerais a cada cinco anos, elegendo 130 deputados pelo círculo nacional e mais cinco deputados pelos círculos eleitorais de cada uma das 18 províncias do país (total de 90).

O cabeça-de-lista pelo círculo nacional do partido ou coligação de partidos mais votado é automaticamente eleito Presidente da República e chefe do executivo, conforme define a Constituição, moldes em que já decorreram as eleições gerais de 2012.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CASA-CE quer ser a chave para “geringonça angolana”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião