Pedro Nuno Santos: “Há abertura” para vinculação de docentes

  • Lusa
  • 30 Agosto 2017

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares afirma que o Governo está aberto à proposta do BE para que as "necessidades permanentes do ensino sejam supridas com contratos permanente"

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares assegura haver abertura do Governo para trabalhar numa solução que permita vincular os professores que respondem às necessidades permanentes do sistema de educação. Ambas as partes da Geringonça discordam, contudo, no número de professores abrangido. O BE quer resolver a situação até ao final da legislatura.

“Aquilo que é exigido pelo BE, mais do que o próprio número em si, é que as necessidades permanentes do sistema de educação sejam supridas com contratos permanentes. Sobre essa reivindicação há uma abertura para trabalhar e nós estamos a trabalhar com o BE e com os nossos parceiros para perceber como é que podemos concretizar uma medida importante como essa”, afirmou o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, em entrevista à agência Lusa, a propósito das negociações do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018).

"Sobre essa reivindicação há uma abertura para trabalhar e nós estamos a trabalhar com o BE e com os nossos parceiros para perceber como é que podemos concretizar uma medida importante como essa.”

Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares

A coordenadora do BE, Catarina Martins, exigiu, no domingo, que os 11 mil professores contratados precariamente pelas escolas todos os anos sejam vinculados até ao final da atual legislatura, ou seja, nos próximos dois anos. No entanto, em relação ao número em concreto de professores já não há a mesma sintonia entre BE e Governo, uma vez que “depende da avaliação também que é feita das necessidades permanentes”, não sabendo Pedro Nuno Santos se serão os 11 mil referidos pela líder bloquista.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares recordou que o Governo fez uma vinculação extraordinária de três mil professores, mas que continuam a existir “muitos professores contratados, muitos deles para suprir necessidades permanentes”. “Eu acho que terá bom desfecho”, antecipou.

Há, portanto, “um trabalho que está a ser feito com o BE”, assegurando Pedro Nuno Santos que “essa reivindicação foi levada a sério” pelo Governo. “A preocupação já era partilhada por nós e, portanto, é um trabalho que vai ser feito para ver se nós a conseguimos concretizar, ir ao encontro dessa preocupação do BE que também é nossa, já agora”, declarou.

No discurso de encerramento da rentrée política do BE, no domingo, Catarina Martins disse ser fundamental “responder no tempo desta legislatura pela condição dos professores e das professoras contratadas, porque há décadas que este problema se arrasta“, sendo este um dos temas que o partido leva para as negociações do OE2018.

“Para o Bloco de Esquerda, vincular os 11 mil professores contratados de que a escola precisa tem de ser também um compromisso para o resto da legislatura. Se não é possível, ou se há dificuldade em fazer a vinculação num só ano, então temos dois anos para o fazer”, disse então a coordenadora bloquista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Nuno Santos: “Há abertura” para vinculação de docentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião