UE dá 120 milhões para desenvolver wi-fi público

  • ECO e Lusa
  • 12 Setembro 2017

O Parlamento Europeu aprovou esta terça-feira um programa que vai permitir o acesso à Internet de forma gratuita por toda a zona da União Europeia.

O Parlamento Europeu aprovou esta terça-feira, em Estrasburgo, um programa que visa promover a instalação de vários pontos gratuitos de Internet, espalhados por toda a zona da União Europeia. O projeto vai receber um financiamento de 120 milhões de euros.

O projeto “WIFI4EU” vai permitir a todos os cidadãos o acesso de forma gratuita à Internet, através de uma rede sem fios, em vários espaços públicos da EU, como parques, praças, bibliotecas e hospitais. “Tendo conseguido mobilizar, numa negociação técnica, complexa, 120 milhões de euros para arrancar, vamos conseguir juntar fundos estruturais, fundos nacionais, públicos e privados, para termos um processo muito robusto, muito forte e muito importante para o futuro da Europa”, disse Carlos Zorrinho, o eurodeputado socialista que foi relator do Parlamento Europeu para esta iniciativa, citado num comunicado da Comissão Europeia.

Com 582 votos a favor e 98 contra, o regulamento está acessível a várias entidades públicas, como câmaras municipais, bibliotecas ou hospitais. Apenas é necessária uma candidatura ao financiamento para a instalação de pontos locais de acesso sem fios.

Estima-se que em Bruxelas, até 2020, mais de seis mil locais públicos no espaço comunitário beneficiem desta iniciativa. As primeiras candidaturas devem ser lançadas ainda este ano ou no início do próximo ano. Será a UE a financiar os custos com os equipamentos e instalação, enquanto os usuários suportarão os serviços de Wi-Fi durante, pelo menos, três anos.

“Proporcionar a todos os europeus o acesso gratuito e livre de restrições à internet de alta qualidade em sítios públicos é uma medida de grande simbolismo, que tem muita força política e tem um grande potencial transformador”, disse Carlos Zorrinho.

O regulamento “garante a neutralidade no acesso à internet, garante também a seleção da melhor tecnologia a aplicar em cada caso, garante o acesso de forma independente da localização geográfica e também dos rendimentos dos utilizadores. Não discrimina ninguém nem nenhum território. Tem um sistema simples de candidatura e uma validação única. Por isso, o WiFi4EU é o embrião de uma Sociedade Europeia a Gigabits, competitiva e inclusiva”, diz Carlos Zorrinho.Sebastiaan ter Burg

O eurodeputado acrescentou ainda que os 120 milhões de euros mobilizados para arrancar com o projeto, permitirão juntar fundos estruturais, nacionais, públicos e privados para garantir “um processo muito robusto, muito forte e muito importante para o futuro da Europa”.

O WiFi4EU é um pequeno passo para nós, mas é um grande passo para que a UE tenha um papel liderante no desenvolvimento de uma sociedade digital inclusiva, aberta, transparente, criativa e amiga das pessoas. Liguemo-nos a esta ideia”, concluiu.

O regulamento ainda tem de ser aprovado pelo Conselho (Estados-membros) e deverá entrar em vigor nos próximos meses.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE dá 120 milhões para desenvolver wi-fi público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião