Autoeuropa: Governo “não se deve envolver diretamente”, diz Caldeira Cabral

  • ECO e Lusa
  • 13 Setembro 2017

O ministro da Economia diz estar a acompanhar as negociações mas que o Governo "não se deve envolver diretamente". O presidente Volkswagen diz que o conflito “tem que estar resolvido em Outubro”.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse esta quarta-feira no parlamento que o Governo “não se deve envolver diretamente” no conflito laboral existente na fábrica da Autoeuropa, mas assegurou acompanhamento das negociações na empresa em Palmela. O presidente executivo da Volkswagen, Herbert Diess, assegura que a Volkswagen não está “a considerar outras opções” para a produção do T-Roc, modelo fabricado em exclusivo pela fábrica da Autoeuropa em Setúbal. Acrescenta contudo que o conflito com os trabalhadores “tem de estar resolvido em outubro”, isto é, um mês antes da data prevista de lançamento do modelo.

“O Governo tem estado atento ao processo, mas não se deve envolver diretamente nem trazer para a praça pública as questões internas da empresa”, afirmou o governante, que estava a ser ouvido pela comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, na Assembleia da República. Manuel Caldeira Cabral recordou que já se reuniu tanto com a direção da fábrica de Palmela como com o presidente executivo da Volkswagen em Milão, Itália. “O que demonstrei foi confiança em que se encontre uma solução com a comissão de trabalhadores, que satisfaça ambas as partes”, referiu. Assinalou ainda que esta é uma “empresa muito importante” para Portugal, uma vez que está “a fazer grandes investimentos” no país, que passam, desde logo, pela “duplicação da produção”.

"O Governo tem estado atento ao processo, mas não se deve envolver diretamente nem trazer para a praça pública as questões internas da empresa”

Caldeira Cabral

Ministro da Economia

“É uma situação de stress, mas acreditamos na nova administração”, diz Herbert Heiss. O presidente da Volkswagen espera uma solução até outubro, pois “todas as partes envolvidas têm interesse em resolver”, avança o Público. “Não estamos a considerar outras opções e confio na competência da administração da unidade local”, assegura o presidente da fabricante alemã. A transferência da produção para outra unidade é também excluída pelos custos elevados que implicaria, acrescenta o Observador.

"Não estamos a considerar outras opções e confio na competência da administração da unidade local.”

Herbert Diess

Presidente Executivo da Volkswagen

Herbert Diess diz-se “surpreendido” com os protestos dos trabalhadores da Autoeuropa, que vieram interromper vinte anos de estabilidade. Para além do mais, a necessidade de trabalhar aos sábados está acordada há dois anos, desde que ficou definido que a produção do T-Roc seria um exclusivo da fábrica de Palmela. O líder da Volkswagen acredita que, para além dos novos horários, a instabilidade na fábrica está relacionada com as várias mudanças na estrutura. Em primeiro lugar, a saída no início do ano de António Chora, representante de há muitos anos dos trabalhadores, e ainda, a entrada de um novo responsável de recursos humanos. A nova comissão de trabalhadores será eleita a 3 de outubro e poderão avançar as negociações.

O representante do SITE-SUL, que se reuniu esta quinta-feira com membros dos recursos humanos e da administração da Autoeuropa, descreveu a reunião como “produtiva” e afirmou que “os canais de comunicação estão abertos”.

“É um plano ‘muito ambicioso’”

A capacidade da fábrica da Autoeuropa, que estaria subutilizada, irá agora utilizar o seu máximo para produzir 28 mil unidades até ao final de 2017 e 180 mil em 2018. “É um plano “muito ambicioso”, confessa Herbert Diess, mas garante ao mesmo tempo que todos os carros produzidos pela Autoeuropa teriam comprador. Para além do T-Roc, os modelos Sharan e Sirocco continuariam a ser produzidos na unidade de Palmela.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoeuropa: Governo “não se deve envolver diretamente”, diz Caldeira Cabral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião