UE garante que Brexit não vai colocar Londres de parte nas relações comerciais

  • Lusa
  • 14 Setembro 2017

A Comissão Europeia garante que não pretende colocar o Reino Unido no “fim da fila” das negociações comerciais da União Europeia com países terceiros, como forma de castigo pelo Brexit.

A Comissão Europeia garantiu esta quinta-feira que não pretende castigar o Reino Unido, no quadro do ‘Brexit’, colocando-o no “fim da fila” das negociações comerciais da União Europeia com países terceiros, considerando mesmo essa ideia “um disparate”.

Numa conferência de imprensa para apresentação das iniciativas previstas pela Comissão Europeia na área do Comércio, ainda no quadro do discurso do Estado da União proferido na véspera pelo presidente do executivo comunitário, Jean-Claude Juncker, o vice-presidente responsável pelo Emprego, Crescimento e Investimento, Jyrki Katainen, e a comissária do Comércio, Cecilia Malmstrom, refutaram veementemente “a ideia de o Reino Unido ser o último parceiro com quem a União Europeia quer negociar acordos comerciais”.

Esqueçam esse disparate. Assim que soubermos que podemos arrancar com as negociações sobre a futura relação (com o Reino Unido), começaremos. Do nosso lado, não há uma prioridade política de manter o Reino Unido no fim da fila. Temos várias negociações em paralelo. Não vale a pena atirar mais achas para a fogueira, a situação já é complicada”, declarou Katainen.

Também Malmstrom recordou que “cabe ao Conselho determinar quando é que foram feitos progressos suficientes” nas negociações sobre as condições de saída do Reino Unido do bloco europeu para se passar para as discussões sobre as futuras relações, nas quais se incluem as comerciais, e apontou que, tal como referiu na semana passada o negociador-chefe da UE, Michel Barnier, ainda não é o caso.

A comissária do Comércio enfatizou por outro lado que não tem necessariamente que haver uma “fila de espera”, pois a Comissão é capaz de negociar em simultâneo com vários parceiros.

“Temos uma fantástica capacidade de trabalhar em simultâneo. A Direção-Geral de Comércio não só tem uma equipa com grande experiência como também é liderada por uma mulher, e as mulheres têm capacidade de trabalhar em simultâneo”, gracejou.

Keep calm, don’t panic [Tenham calma, não entrem em pânico]”, completou.

Entre as propostas da “Comissão Juncker” para o próximo ano na área do Comércio, conta-se a intenção de lançar negociações de acordos comerciais com Austrália e Nova Zelândia, que “teriam por base os recentes acordos, celebrados com êxito, com o Canadá, Vietname, Singapura, bem como o Japão, entre outros, que alargam a aliança de países parceiros que se comprometeram a aplicar regras progressivas ao comércio mundial”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE garante que Brexit não vai colocar Londres de parte nas relações comerciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião