“Há cada vez mais PME a quererem ser tão boas como as melhores do mercado”

  • ECO
  • 18 Setembro 2017

O presidente do júri dos prémios IRGA, atribuídos pela Deloitte para distinguir as melhores práticas de governance, acredita que há um "conjunto enorme de empresas que seguem boas práticas".

A Deloitte distingue, esta terça-feira, as melhores empresas e profissionais do mercado no que toca às relações com investidores e práticas de governo. Em conversa com o ECO, Manuel Alves Monteiro, presidente desta 30ª edição dos Investor Relations and Governance Awards (IRGA), fala sobre a cultura de mercado das empresas portuguesas e as expectativas para este ano.

Manuel Alves Monteiro, presidente do júri dos prémios IRGA.Paula Nunes / ECO

Ao fim de 30 anos dos prémios IRGA, ainda podemos esperar surpresas nos nomeados e vencedores?

Há sempre surpresas. Independentemente de o nosso mercado não ser muito vasto, muito profundo, o que é certo é que há sempre empresas, muitas, que têm um bom desempenho, que lutam por impor boas práticas na sua forma de atuação e por serem bons exemplos. E há também pessoas que, pela forma como desempenham os seus cargos, são merecedoras da nossa admiração e do nosso estímulo.

No seu editorial, refere que os prémios são uma referência na “promoção de uma cultura de mercado”. Que cultura é essa?

Defendemos que as empresas devem atuar de uma forma rigorosa, responsável, transparente. As empresas atuam assim se forem lideradas por pessoas que têm esses valores constantemente em cima da sua secretária e que os impõem às equipas e junto da sociedade. Estes profissionais têm uma responsabilidade social muito importante porque contribuem de forma muito significativa para o desempenho da economia do país e, no final do dia, para o bem-estar das famílias e das empresas.

E essa cultura é generalizada à maioria das empresas portuguesas ou é uma tendência a emergir?

É uma cultura muito mais generalizada e vivida do que aquilo que se julga. Nós tendemos a fazer o nosso juízo em cima de más práticas, que são aquelas que acabam por vir na comunicação social e dadas a conhecer ao público. Mas esquecemos que o mais significativo é o conjunto enorme de empresas e profissionais que, todos os dias, atuam de forma correta, seguem boas práticas e querem sempre fazer mais e melhor. É para essas que nos devemos voltar, independentemente de as notícias do dia-a-dia nos darem informação que parece contradizer aquilo que nós queremos.

O facto de o tecido empresarial português ser maioritariamente composto por PME é um obstáculo à transparência?

Não tem de ser. E até admito que não tem sido. Funciona bastante a ideia de que os empresários devem trazer estes valores para o dia-a-dia da sua ação, independentemente da dimensão da empresa. Temos como exemplo o prémio da golden company, onde cada vez mais temos empresas de menor dimensão, inclusivamente não cotadas em bolsa, que fazem um grande esforço para introduzir as melhores práticas de gestão e de governação para poderem ombrear com aquelas que são escrutinadas diariamente nos mercados financeiros e empresariais. Isso é de enfatizar: há cada vez mais empresas de menor dimensão a quererem ser tão boas como as melhores empresas do mercado, a quererem ter uma gestão, uma governance e talento tão bons ou melhores do que os que se observam nas grandes empresas. Essa vontade e empenho terão, no futuro, um grande impacto. As empresas serão mais sustentáveis e mais competitivas internacionalmente, ficando mais propensas à inovação e ao sucesso. Os jovens começam a querer trabalhar cada vez mais em empresas que têm sinais exteriores de transparência, rigor e respeito pelo mercado e pela comunidade em geral, independentemente da dimensão da empresa e da sua notoriedade.

De que forma é que a crise influenciou as políticas financeiras das empresas?

Desde logo porque obrigou as empresas e os empresários a serem mais rigorosos, inclusivamente na forma como investem e na forma como financiam os investimentos. Quando o dinheiro é mais fácil, é também mais relaxado, menos profissional, menos rigoroso. Quando as dificuldades surgem e quando é necessário vencer maiores dificuldades, vem ao de cima o mérito, a competência, o rigor e a transparência. Foi assim sempre e julgo que os empresários portugueses aprenderam essa lição.

Estando nós agora em recuperação económica, as empresas têm menos incentivo ao rigor financeiro?

Não me parece. Quando falo em dinheiro mais fácil, refiro-me ao passado, de há seis, oito, dez, doze anos, à forma como os financiamentos eram obtidos e à forma como se prosseguiam projetos sem a preocupação de ser muito rigoroso, porque havia uma cultura de endividamento, nitidamente. Hoje não é assim, até porque continua a não ser fácil financiar projetos. A banca tem alguns constrangimentos. Isso pede, da parte dos empresários, muito mais rigor e competência, muito mais qualidade na criação de projetos. Acabamos todos por beneficiar com isso, porque a qualidade dos projetos é muito importante para que ganhem sustentabilidade e se assumam como projetos de longo prazo. Esse equilíbrio vai ser importante para que as empresas consigam sobreviver.

O Governo tem criado condições favoráveis ao investimento?

O que é de enfatizar é como é que a economia em geral, a sociedade em geral, as empresas, os agentes económicos, têm conseguido ultrapassar as dificuldades e criaram, eles próprios, condições para estarem mais bem posicionados amanhã, nomeadamente no plano da competitividade interna e externa. Tem sido mais um trabalho de economia e de agentes económicos do que propriamente de Governo. Queremos que o Estado tenha a dimensão adequada mas, acima de tudo, que seja um facilitador, que permita que os agentes económicos encontrem caminhos, criem postos de trabalho, criem riqueza. Esse caminho que foi seguido, no sentido de os agentes económicos serem suficientemente criativos, expeditos e astutos para seguirem em frente, é isso que mais tem contribuído para um melhor momento que estamos a sentir que existe.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Há cada vez mais PME a quererem ser tão boas como as melhores do mercado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião