Job Summit liga empresas e candidatos a 10 e 11 de outubro

  • Lusa
  • 23 Setembro 2017

O evento é “100% virtual” e os candidatos podem participar a partir de “qualquer lugar, evitando gastos em deslocações, estadias ou alimentação”.

O Job Summit, apresentado como “a primeira feira de emprego virtual ‘a sério’ em Portugal”, promove dias 10 e 11 de outubro um evento de recrutamento ‘online’ no qual os candidatos vão analisar em direto ofertas de trabalho.

Organizado pelo Alerta Emprego, um portal de emprego que intermedeia contactos entre empresas, recrutadores e candidatos, o Job Summit propõe-se por em contacto virtual, em tempo real, “milhares de candidatos com dezenas de empresas e recrutadores”.

Segundo a organização, estão já inscritos “mais de 1.800 candidatos e 29 empresas de vários setores de atividade” no evento, que decorre dias 10 e 11 de outubro entre as 10h30 e as 20h00.

“O contacto direto e a possibilidade de interação são a grande novidade e mais-valia do evento: será possível conversar em tempo-real, quer em espaços públicos como privados e através de texto, áudio ou vídeo”, explica, salientando que “o objetivo é dar resposta à principal frustração dos candidatos portugueses: não obterem ‘feedback’ por parte das empresas e sentirem-se perdidos nos processos de recrutamento”.

De acordo com os promotores, o evento é “100% virtual” e os candidatos podem participar a partir de “qualquer lugar, evitando gastos em deslocações, estadias ou alimentação”. Foi definido também um período pós-laboral, para que profissionais empregados possam participar.

Concebido como se de um evento físico se tratasse, o Job Summit apresenta um ecrã inicial designado ‘lobby’, que se assume como um ‘hall’ principal que dará acesso ao balcão de informações virtual e às principais áreas do evento: ‘webinars’ (sessões) e ‘stands’ virtuais das empresas.

"O evento é 100% virtual e os candidatos podem participar a partir de qualquer lugar, evitando gastos em deslocações, estadias ou alimentação.”

Job Summit

No balcão de informações, os participantes terão acesso aos horários dos ‘chats’ e poderão esclarecer qualquer questão que tenha com a organização do evento.

Segue-se um ‘hall das empresas’, onde os candidatos poderão aceder a todos os ‘stands’ presentes e a uma lista dos empregadores participantes, clicando no ‘stand’ ou na designação da empresa. Os candidatos podem ainda utilizar as duas setas laterais para navegarem pelo ‘hall’ e terem acesso aos ‘stands’ de todas as companhias participantes.

Nos ‘stands’ de cada uma das empresas estarão disponíveis uma descrição da companhia, vídeos, imagens, documentos, ofertas de emprego e entrada para o ‘chat’, ao qual se acede selecionando o separador pretendido e clicando na informação disponível.

Nas várias salas de ‘chat’ os candidatos poderão depois ‘falar’ diretamente com recrutadores, seja colocando questões no ‘chat’ coletivo ou por texto e/ou por áudio e vídeo nos ‘chats’ particulares.

Através do ‘lobby’ ou da barra de acesso geral poderá aceder-se também à área de ‘webninars’, sessões sobre procura de emprego onde será possível “assistir a sessões de diversos oradores a falar sobre temáticas interessantes para quem procura emprego”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Job Summit liga empresas e candidatos a 10 e 11 de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião