Marriott vai acelerar três startups. Duas são portuguesas

  • ECO
  • 28 Setembro 2017

Optishower e HiJiffy apresentaram propostas que prometem transformar a experiência de hospedagem. Os produtos das empresas portuguesas serão experimentados em alguns hotéis da cadeia Marriott.

Dois dos três produtos vencedores do TestBED 2017, o programa de aceleração promovido pela cadeia de hotéis Marriott, têm assinatura portuguesa. A iniciativa, que procura empresas com base tecnológica e dedicadas à transformação da experiência de hospedagem, selecionou a Optishower e a HiJiffy para implementar pilotos, nas próximas 10 semanas, em algumas das unidades do grupo.

A Optishower desenvolveu uma forma de medição inteligente para o consumo de água e eletricidade. Os hóspedes dos hotéis Marriott poderão manter um histórico dos seus usos e, no fim, ser recompensados pela sua estada ambientalmente sustentável. O Amsterdam Marriott será o hotel onde o seu piloto será testado.

Já a HiJiffi trabalha na área da inteligência artificial. A startup desenvolveu um chatbot que interage, através do Messenger do Facebook, com os clientes, gerindo reservas e serviços. Esta espécie de concierge automatizado vai ser testada na unidade de Regent’s Park, em Londres.

As empresas portuguesas foram selecionadas de um grupo inicial de 150 startups de 24 países. Na fase final, oito foram escolhidas para apresentar os seus pitches em Londres.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marriott vai acelerar três startups. Duas são portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião