Uma cidade de negócios. O cartão-de-visita de Braga

Competência e saber atraem grandes investidores e fazem de Braga um centro de negócios. Universidade do Minho tem tido um papel preponderante na cidade.

Bosch, Fujitsu, WeDo, Accenture são apenas alguns dos nomes que servem de cartão-de-visita à cidade de Braga e que a tornam numa das cidades com maior apetência para os negócios.

Braga, que nos últimos anos entrou no top 10 das exportações nacionais, tem-se vindo a afirmar no território nacional como uma cidade de conhecimento, a que não são alheios os centros de saber, desde logo a Universidade do Minho e o INL (Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia) só para falar dos mais relevantes. Mais do que a própria localização geográfica, os investidores nacionais e internacionais, procuram o talento e as competências nacionais com as áreas de engenharia à cabeça como os setores das tecnologias e da inovação.

Fernando Alexandre, pró-reitor da Universidade do Minho, adianta, em declarações ao ECO, que, “em Braga, faz-se muito bem a articulação entre o meio empresarial, a Universidade e todos os outros centros de desenvolvimento importantes que habitam na cidade. No fundo, a cidade tem sabido aproveitar a ligação entre Universidades, empresas e Estado ou políticas públicas”.

Em Braga faz-se muito bem a articulação entre o meio empresarial, a Universidade e todos os outros centros de desenvolvimento importantes que habitam na cidade, no fundo tem sabido aproveitar a ligação entre Universidades, empresas e Estado ou políticas públicas.

Fernando Alexandre

Pro-reitor da Universidade do Minho

E o pró-reitor dá mesmo como exemplo a ligação entre a Bosch e a Universidade do Minho, “um exemplo paradigmático do que é ter uma cidade atraente para o investimento e que atrai quadros”.

A Bosch, multinacional alemã que fechou o ano passado com um volume de faturação superior a mil milhões de euros, tinha nos primórdios apenas linhas de montagem com baixa incorporação de produtos produzidos em Portugal. “Tínhamos aqui um grande empregador, mas o trabalho era relativamente simples, agora com a parceria com a Universidade do Minho, a Bosch evoluiu no processo produtivo e já é feita aqui conceção de produtos“, refere Fernando Alexandre.

“Neste momento, a Bosch tem um centro de desenvolvimento e engenharia, hoje a Bosch tem cerca de três mil trabalhadores e 500 já são engenheiros, o que leva a que a fábrica esteja a mudar o made in Portugal para o invented in Portugal“, acrescenta Fernando Alexandre. E não tem dúvidas. “É este tipo de investimento que interessa a Portugal, e isto muda a natureza da implantação da Bosch em Portugal. A Bosch já está aqui a gerar e a criar tecnologia nova que depois é vendida para o mundo todo”.

Trabalho altamente qualificado o que implica mais salários e, sobretudo, fixação de quadros em Portugal.

Já Carlos Oliveira, presidente da InvestBraga adianta que a cidade é hoje atrativa para fazer negócios porque “foi considerado essencial para o seu desenvolvimento” garantir que as pessoas vivam melhor, uma premissa que será conseguida “se tiverem melhores empregos”. “Logo, era essencial atrair mais empresas e quanto mais qualificadas fossem tanto melhor”, sublinhou.

[As empresas que vêm para Braga] procuram qualificações e competências e este binómio é importante para atrair investimento.

Carlos Oliveira

Presidente da InvestBraga

Por isso, salienta Carlos Oliveira, as empresas que vêm para Braga “procuram qualificações e competências e este binómio é importante para atrair investimento”.

Incorporação de valor acrescentado já deu frutos?

Fernando Alexandre responde rápido. “Portugal passa a ser visto de maneira diferente dentro da multinacional e isso tem efeitos na própria universidade que já começa a ver os seus investigadores a serem contactados por outras fábricas da Bosch, a partir da Alemanha. E isto não acontece apenas com a Bosch, a própria Delphi recentemente abriu um centro de desenvolvimento aqui em Braga”.

Portugal começa a ser visto como produtor de tecnologia. “A partir do momento em que temos projetos com a Bosch, é mais fácil, ajuda a mudar a imagem de Portugal”, refere.

Com pouco mais de 40 anos de idade, a Universidade do Minho teve de começar a impor-se e, sobretudo, teve de adquirir ela próprio conhecimento.

A falta de mão de obra

Na indústria, sobretudo nos setores mais tradicionais, são já várias as queixas por parte dos empresários de que é difícil encontrar mão-de-obra para o “chão de fábrica”. Mas será assim também ao nível das engenharias? Fernando Alexandre diz que “esse é o grande desafio” que têm pela frente, “mas é um bom problema”.

É de resto a pensar nessa situação que a Universidade do Minho todos os anos tem vindo a aumentar as áreas das engenharias, sobretudo ao nível das engenharia informática, que é uma das marcas do desenvolvimento de Braga.

“Estamos a fazer um esforço para dar resposta ao mercado e à economia, mas isto tem limites. Através do nosso reitor, temos conseguido antecipar os movimentos sobre o que vai ser importante para a sociedade e para a economia”, refere Fernando Alexandre.

Carlos Oliveira corrobora a tese e deixa mesmo um desafio: “Deve ser feita pressão junto do Governo para que perceba que é importante aumentar os numerus clausus nas áreas das engenharias e das eletrónicas, áreas centrais para os desafios que o país tem pela frente”.

Deve ser feita pressão junto do Governo para que perceba que é importante aumentar os numerus clausus nas áreas das engenharias e das eletrónicas, áreas centrais para os desafios que o país tem pela frente”.

Carlos Oliveira

Presidente da InvestBraga

E deixa um alerta: “Se não tivermos recursos humanos, o investimento vai canalizar-se para outros países, já não é uma questão de cidade, mas sim uma questão nacional, portanto, é preciso aumentar os numerus clausus nestas áreas de alta empregabilidade e onde o investimento faz sentido”.

Jogando nesse movimento de antecipação, a Universidade do Minho tem vindo a colocar recursos em áreas como os materiais, a sustentabilidade, as tecnologias de informação e comunicação, a informática e a computação.

Carlos Oliveira por seu turno, adianta que, “ainda hoje, é mais fácil contratar em Braga do que em Lisboa e Porto”. “Mas estamos atentos a estes problemas e temos vindo a desenvolver o Qualifica IT, um programa que tem como objetivo formar e facilitar a entrada de licenciados no mercado de trabalho”, acrescenta.

Com grande diversidade de atividades económicas, o concelho de Braga emprega aproximadamente 71.000 pessoas.

Qualidade de vida numa das cidades mais jovens da Europa

Mas falar de Braga é também falar de qualidade de vida. Uma das cidades mais jovens da Europa, com 182 mil habitantes tem cerca de 85 mil jovens, a cidade é fértil em acessibilidades quer terrestres, quer marítimas (Porto de Leixões e de Viana), mas também aéreas (aeroporto Francisco Sá Carneiro e aeroporto de Vigo), seja ao nível de passageiros, seja ao nível de mercadorias. A cidade situa-se no noroeste peninsular e beneficia da proximidade à Galiza.

A acrescentar a estes fatores, Braga assume-se como uma cidade barata, sobretudo ao nível da habitação e numa base comparativa com o Porto, Lisboa e até Coimbra. Este facto torna os salários praticados localmente como mais competitivos. Também a nível da saúde e do ensino, a cidade conta com importantes infraestruturas.

O turismo, que nos últimos anos tem tido um desenvolvimento exponencial em Portugal, tem também crescido em Braga. Com grande património, histórico e cultural, Braga começa agora a capitalizar o acréscimo de visitantes também ao nível das dormidas em estabelecimentos hoteleiros.

Empreendedorismo em alta

Outra das vertentes reconhecidas em Braga, tem a ver com a criação de startups de base cientifica e tecnológica com elevado potencial de internacionalização.

Carlos Oliveira, também ele um empreendedor diz que “o país beneficiou muito deste movimento empreendedor, mas agora chegou um momento decisivo, o momento de marcar golos, e por golos entende-se que as startups comecem a ter vendas interessantes, para não se falar sempre nas mesmas cinco ou seis e que consigam rondas de financiamento com investidores nacionais e internacionais de montantes importantes”.

Para Carlos Oliveira é preciso perceber se com a economia e o emprego em recuperação, “as startups conseguem continuar a recrutar talento, o que implica conseguirem pagar salários semelhantes aos praticados no mercado”.

O que move os candidatos à autarquia?

No próximo dia 1 de outubro quando os bracarenses forem chamados a votar terão a oportunidade de o fazer em cinco candidatos: Ricardo Rio (PSD); Miguel Corais (PS); Carlos Almeida (CDU); Paula Nogueira (BE) e Armando Caldas (Nós Cidadãos).

O atual presidente da Câmara, Ricardo Rio, eleito há quatro anos, elegeu na vertente económica a máxima de “mais emprego, melhor emprego”.

Entre as medidas apresentadas destaque para a conclusão da renovação do parque de exposições de Braga e a “criação de uma estrutura de gestão adequada, com forte aposta no turismo de negócios, na realização de eventos de lazer e captação de eventos de grande dimensão para Braga”.

O candidato promete ainda a criação da Innovation Arena e do MedTech. Segundo o seu programa estes serão “dois espaços de acolhimento empresarial na envolvente da Universidade, especialmente orientados para empresas inovadoras e de tecnologias limpas, assentes no conhecimento produzido nos centros de investigação”, bem como o de reforçar os poderes da InvestBraga, o braço económico da Câmara para dinamizar o concelho e atrair investimento. Rio quer que a agência reforce as competências ao nível da organização de eventos e da promoção turística.

Já o candidato do partido socialista, Miguel Corais promete proceder “à criação de melhores condições para a instalação de novas empresas, através de uma via verde ao licenciamento e um programa alargado de incentivos”. As empresas inovadoras não são também esquecidas. “Construção de um parque tecnológico de última geração com condições técnicas de ponta e uma localização estratégica capaz de atrair e sediar empresas inovadoras”.

A “Alternativa por Braga”, do Nós Cidadãos encabeçada pelo candidato Armando Caldas não esquece também a importância do investimento. Nesse sentido o candidato defende que é preciso “dar resposta às necessidades dos empresários, tornando o concelho mais atrativo e aumentando a captação de investimento, de preferência por atividades de maior valor acrescentado”.

Um ponto comum às candidaturas passa pela renovação dos parques industriais e empresariais. Rio, Corais e Caldas têm aqui o mesmo entendimento e defendem a renovação dos mesmos.

A candidatura do Bloco de Esquerda, liderada por Paula Nogueira, pelo seu turno, quer retirar poderes à InvestBraga. “Retirada da delegação de competências municipais na InvestBraga e colocação das decisões estratégicas sobre promoção do desenvolvimento económico nas mãos do município”. Já ao nível da atração de investimento, Paula Nogueira defende o “fim da política de “competitividade fiscal” que prejudica a assunção pelo concelho de recursos legais que deveriam ser apurados para investimento social; substituição disso por uma política de atração do investimento com criação de emprego qualificado e justo”.

O ECO pediu também ao candidato à Câmara pela CDU, Carlos Almeida as suas propostas económicas para o concelho, mas até à publicação deste artigo não obteve qualquer resposta.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Uma cidade de negócios. O cartão-de-visita de Braga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião