“Cale-se, por favor”, pede Assunção Cristas a António Costa

  • Lusa
  • 29 Setembro 2017

Presidente do CDS acusa o primeiro-ministro de não saber distinguir a responsabilidade política, da funcional.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, pediu esta sexta-feira ao primeiro-ministro, que, “por favor”, se cale sobre o furto de armas em Tancos, defendendo que “é grave” que não perceba a diferença entre “responsabilidades funcionais” e “responsabilidades políticas”.

“Se não tem nenhuma resposta para dar, se insiste em manter um ministro que já não existe aos olhos de ninguém, então o que eu lhe posso dizer é que, por favor, cale-se. Por favor cale-se, porque é demasiado doloroso ver um primeiro-ministro a dizer isto”, afirmou Assunção Cristas aos jornalistas.

A líder centrista reagia, assim, às declarações de António Costa em entrevista à TSF, de que o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, “seguramente nem sabia o que se estava a passar” em Tancos, “nem pode saber” o que se passa em cada uma das unidades militares.

"Uma coisa são as responsabilidades funcionais de quem está fazer em cada momento o trabalho no terreno, outra coisa são as responsabilidades políticas, e é grave que um primeiro-ministro não perceba uma coisa e não perceba outra.”

Assunção Cristas

Presidente do CDS-PP

“O senhor primeiro-ministro espanta-me quando faz comentários desse tipo, porque parece não conhecer os diferentes níveis de responsabilidade. Uma coisa são as responsabilidades funcionais de quem está fazer em cada momento o trabalho no terreno, outra coisa são as responsabilidades políticas, e é grave que um primeiro-ministro não perceba uma coisa e não perceba outra”, defendeu Assunção Cristas.

A presidente do CDS, que tem vindo a pedir reiteradamente a demissão do ministro da Defesa, falava durante uma ação da campanha à Câmara de Lisboa.

António Costa disse à TSF: “Eu cumpri serviço militar, e lembro-me das minhas obrigações de oficial de dia, e tenho a certeza absoluta que se houvesse algum incidente desta natureza em primeiro lugar a responsabilidade seria minha”.

“Há uma pessoa que eu sei que não seria, que era do ministro da Defesa que seguramente nem sabia o que se estava a passar nem pode saber, nem tem que saber o que se está a passar em cada uma das unidades”, sublinhou.

O furto de Tancos entrou na campanha eleitoral autárquica sobretudo depois de o Expresso ter divulgado, em manchete, um relatório atribuído a “serviços de informações militares”, com duras críticas ao ministro Azeredo Lopes e ao chefe do Estado-Maior do Exército Rovisco Duarte.

No mesmo dia, o Estado-Maior General das Forças Armadas disse que o seu centro de informações militares não produziu qualquer relatório sobre o assunto.

No dia seguinte, o primeiro-ministro negou também que algum organismo oficial do Estado tenha produzido o relatório noticiado e o ministério da Defesa desafiou mesmo o Expresso a divulgar na íntegra o documento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Cale-se, por favor”, pede Assunção Cristas a António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião