Projeções dão maioria absoluta a Medina

O PS foi reeleito em Lisboa e deverá garantir a maioria absoluta. Cristas surge em segundo, PSD e CDU estão empatados e o Bloco deverá conseguir eleger um a dois vereadores.

A sede de campanha do PS, em Lisboa.Paula Nunes / ECO

Fernando Medina vai continuar à frente da Câmara Municipal de Lisboa, confirmando os resultados de todas as sondagens que foram feitas durante o período de campanha, que davam a vitória ao atual presidente e apontavam mesmo para uma maioria absoluta. Lisboa contou com 12 candidaturas e, segundo as projeções iniciais da RTP, Medina deverá vencer com 43% a 47% dos votos.

Em segundo lugar, deverá ficar Assunção Cristas, pelo CDS-PP, com 18% a 21% dos votos. Em terceiro, Teresa Leal Coelho, com 9% a 11%. Segue-se João Ferreira, pela CDU, também com 9% a 11%, e Ricardo Robles, do Bloco de Esquerda, com 7% a 9% dos votos.

A confirmarem-se, estes resultados deverão garantir a maioria absoluta a Fernando Medina. O executivo da Câmara de Lisboa conta com um total 17 vereadores. O PS deverá eleger 8 a 10 vereadores, o CDS-PP 3 a 4 vereadores, o PSD conseguirá dois vereadores, tal como a CDU. Já o Bloco de Esquerda deverá conseguir ter representação na Câmara de Lisboa, elegendo um a dois vereadores.

Numa primeira reação, na sede de campanha do PS, no Hotel Altis, Duarte Cordeiro falou em “resultados históricos” e sublinhou que foi a quarta vez consecutiva que o PS venceu a Câmara de Lisboa. Já José Eduardo Martins, candidato à Assembleia Municipal pelo PSD, reconheceu que, a confirmar-se, este será um “resultado muito negativo” para o partido, acrescentando que Teresa Leal Coelho “assumirá as responsabilidades” desta derrota. “Todos os dias saímos em campanha procurando um resultado diferente”, sublinhou.

Na sede de campanha do Bloco de Esquerda, no Palácio das Galveias, em Lisboa, Mariana Mortágua salientou o “reforço substantivo da posição autárquica do Bloco de Esquerda” e disse aguardar “com expectativa” os resultados finais. Do lado do CDS-PP, o deputado Telmo Correia salientou que, “com grande probabilidade”, o CDS-PP deverá estar perante “um momento histórico” em Lisboa.

Depois das obras, a habitação

Licenciado em Economia e antigo secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional no Governo de José Sócrates, Fernando Medina sucedeu a António Costa como presidente da Câmara de Lisboa em abril de 2015, quando o atual primeiro-ministro deixou a Câmara para se concentrar na liderança do PS e disputar as eleições legislativas desse ano. Em junho de 2015, Fernando Medina apresentou a candidatura à Câmara Municipal de Lisboa, contando com o apoio do Livre e de movimentos independentes.

O último mandato ficou marcado pelas obras profundas em várias zonas da capital, mas também por várias polémicas, como o concurso para obras na Segunda Circular, que acabou por ser cancelado por suspeitas de conflito de interesses de um dos consultores do projeto. No próximo mandato, Fernando Medina aponta para o mercado da habitação como a grande prioridade. Um programa de rendas acessíveis é uma das principais bandeiras do presidente da Câmara de Lisboa.

Notícia atualizada às 20h22 com mais informação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Projeções dão maioria absoluta a Medina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião