Índia vai liderar o crescimento em 2018

O Fundo Monetário Internacional atualizou as suas previsões para as principais economias mundiais. Este ano o campeão do crescimento é a China, mas, em 2018, o óscar vai para a Índia.

O Fundo Monetário Internacional reviu em alta esta terça-feira as projeções de crescimento económico para a zona euro, renovando a crescente confiança que deposita na superação da crise económica. A principal melhoria registou-se entre as economias avançadas, onde se destacam os países europeus. A China vai continua a liderar as subidas do PIB este ano, mas, em 2018, o FMI prevê que o líder seja a Índia.

Na atualização de outubro do World Economic Outlook reforça a ideia de que o crescimento económico está a acelerar. Face a abril e julho, a previsão melhorou tanto para 2017 como para 2018. Porquê? “As notáveis acelerações do investimento, comércio e na produção industrial, aliadas a um fortalecimento da confiança dos consumidores e empresários, estão a ajudar a recuperação” económica, lê-se no documento divulgado esta terça-feira.

O Fundo reconhece que o crescimento económico surpreendeu no primeiro semestre deste ano, o que levou à melhoria das projeções. As melhorias na Europa, Japão, China e Rússia foram suficientes para compensar as descidas registadas nos Estados Unidos, Reino Unido e Índia.

Fonte: Fundo Monetário Internacional

Ainda assim, “a recuperação [económica] ainda não está completa”, avisa o FMI, assinalando problemas como a baixa inflação, a fraca produtividade, o envelhecimento da população e a dificuldade em melhorar as condições de vida das populações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Índia vai liderar o crescimento em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião