Crescimento do turismo abranda, mas hotéis faturam cada vez mais

Os preços dos quartos estão a aumentar, e muito. Entre janeiro e agosto, o rendimento médio por quarto disponível foi de 51,7 euros; há um ano, era de 44,1 euros.

O turismo continua a registar um crescimento superior ao dos restantes indicadores económicos, mas está a abrandar. No conjunto dos oito primeiros meses do ano, o número de hóspedes e de dormidas aumentou a um ritmo mais lento do que em igual período do ano passado, mas o mesmo não se verifica do lado das receitas. Entre janeiro e agosto, os proveitos da hotelaria registaram aumentos maiores do que os que se tinham verificado no ano passado, o que significa que os preços praticados continuam a aumentar.

Segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), entre janeiro e agosto, a hotelaria nacional recebeu um pouco mais do que 14 milhões de hóspedes, responsáveis por mais de 39,9 milhões de dormidas. São valores que correspondem a aumentos homólogos de 8,6% e 7,4%, respetivamente. No mesmo período do ano passado, estes dois indicadores tinham aumentado 9,4% e 8,9%.

A justificar este abrandamento estiveram tanto o mercado nacional como o externo. O mercado interno contribuiu com pouco mais de 11 milhões de dormidas, mais 3,4% do que há um ano (o que representa uma desaceleração face ao crescimento de 4,3% que tinha sido registado no ano passado). Já o mercado externo respondeu por 28,7 milhões de dormidas, um aumento homólogo de 9,1%, que fica aquém da subida de 10,9% que se verificou no mesmo período de 2016.

Por outro lado, o tempo que os turistas ficam nas unidades hoteleiras também está a cair ligeiramente. A estada média foi de 2,85 noites neste período, uma quebra homóloga de 1,1%.

Feitas as contas, a hotelaria faturou um total de 2,3 mil milhões de euros no conjunto dos oito primeiros meses do ano, uma subida de 16,1%. Há um ano, os proveitos estavam a aumentar 15,9%.

Significa isto que os preços dos quartos estão a aumentar, e muito: entre janeiro e agosto, o rendimento médio por quarto disponível foi de 51,7 euros; há um ano, era de 44,1 euros.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crescimento do turismo abranda, mas hotéis faturam cada vez mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião