Pedro Marques: “Cativações serão as mesmas deste ano”

  • ECO
  • 16 Outubro 2017

Pedro Marques, ministro do planeamento e das infraestruturas, diz que as cativações de 2017 se irão manter no próximo ano, e mostra-se confiante quanto aos números do Orçamento para 2018.

O Governo tem sido criticado pelas elevadas cativações. No próximo ano, Pedro Marques garante que “serão as mesmas que estiveram no ano passado”. O ministro do planeamento e das infraestruturas defende que o Orçamento do Estado para 2018 “é, sobretudo, de estabilidade, não é nem eleitoralista, nem trava a consolidação”.

“Temos muita confiança nos números que estamos a apresentar”, garante Pedro Marques em entrevista ao Jornal de Negócios. As cativações não são um tabu, vão inclusivamente ser divulgadas trimestralmente, divulga o ministro. Para já, o que pode assegurar é que “são as mesmas que estiveram no ano passado [este ano]“, ano em que o ministério a seu cargo “era o que tinha mais cativações e depois também foi o que teve mais descativações”.

"Este Orçamento é sobretudo de estabilidade, não é nem eleitoralista, nem trava a consolidação.”

Pedro Marques

Ministro do Planeamento e das Infraestruturas

Um Orçamento eleitoralista? Pedro Marques nega. “Os quantitativos das devoluções dos rendimentos em sede de IRS ou do ponto de vista das carreiras [da Função Pública] já estavam, no essencial, no cenário macroeconómico do PS antes das eleições”, responde.

Olhando a medidas específicas, Pedro Marques considera o regime simplificado do IRS dos trabalhadores independentes “uma medida de justiça fiscal”, explicando que “pessoas que tenham uma situação mais complexa existe o sistema de contabilidade organizada também disponível” e “acontece ao mesmo tempo em que o mínimo de existência é alargado à categoria B”.

Fazemos este aumento de rendimentos e do investimento público, mantendo a trajetória de redução do défice e da dívida.

Pedro Marques

Ministro do Planeamento e das Infraestruturas

Se no caso das famílias há um alívio, nas empresas o aumento da derrama estadual aparece em compensação da redução da taxa de IRC verificada durante o Governo de Passos Coelho. ” A verdade é que quando foi feita aquela baixa de IRC não foi feita a compensação”, aponta o ministro.

 

Devolver rendimentos. E a dívida?

“A despesa estrutural tem de ser vista em relação aos recursos que a economia gera…” acrescenta ainda, e explica “fazemos este aumento de rendimentos e do investimento público, mantendo a trajetória de redução do défice e da dívida”.

Pedro Marques desvaloriza a redução mais lenta da dívida pública para 2018.Nós continuamos a ter a variação de meio ponto no saldo estrutural, que é muito importante“, relembra, e sublinha as diferenças: “Estamos aqui a discutir se estamos a andar muito depressa ou mais devagar para um défice de 1% do PIB”, quando o governo recebeu um saldo de mais de 4%, defende.

Quanto à necessidade de uma maior almofada financeira, tendo em conta o provável abrandamento da economia espanhola e inglesa, Pedro Marques volta a desvalorizar tendo em conta a evolução positiva no défice e na dívida pública. “Não me levem a mal, mas não me parece que isso faça sentido”, remata.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Marques: “Cativações serão as mesmas deste ano”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião