Bizcargo: o novo serviço de booking para mercadorias

  • ECO
  • 23 Outubro 2017

A plataforma criada pela startup MitMyNid pretende facilitar processos de transporte de mercadorias para empresas e particulares.

O serviço de booking online chegou ao transporte de mercadorias. Com a plataforma Bizcargo, empresas e particulares têm agora à disposição um novo serviço que disponibiliza vários operadores de serviços de logística e permitirá acompanhar a deslocação dos seus pedidos. O projeto foi desenvolvido pela MITMYNID, uma das startups da INESC TEC, Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores – Tecnologia e Ciência, em Coimbra.

O Bizcargo é o primeiro produto no seu mercado, e o Grupo ETE, o maior grupo de empresas de transporte e logística português, foi o seu demonstrador em ambiente real, ao abrigo do projeto GLPaP (Gestão de Logística Porta-a-Porta). O projeto foi cofinanciado pelo Norte 2020, pelo Portugal 2020 e pela União Europeia, num investimento de cerca de meio milhão de euros.

A plataforma junta vários operadores e integradores logísticos, que terão de pagar uma taxa por cada transação em que participem. Os serviços do Bizcargo serão gratuitos para as empresas que procuram e contratualizam soluções logísticas, avança o comunicado de imprensa.

Rui Barros, CEO da MITMYNID, explica ao ECO que os serviços da plataforma já estão disponíveis para todo o país através de vários portos como o de Leixões, de Lisboa e de Sines, de aeroportos e do trânsito de mercadorias com as ilhas dos Açores e da Madeira. Os serviços de logística cobertos pelo Bizcargo são feitos numa escala global, ligando países como os Estados Unidos da América, Japão, China, Cabo Verde ou Brasil. “No Bizcargo, a disponibilidade de serviços não tem limites geográficos. Por esse mesmo motivo já temos a plataforma disponível em português e em inglês e nos próximos dias surgirão novos idiomas”, prossegue.

O executivo da empresa nota a dificuldade das empresas na procura de serviços de logística e transporte, dado todo um “processo que requer múltiplos contactos, prospeção e comparação manual”; acrescendo ainda as dificuldades no acompanhamento do transporte das mercadorias, considerado “algo muito penoso e difícil de realizar”. Neste sentido o CEO da empresa que desenvolveu o Bizcargo avança que a plataforma tornará todos esses procedimentos mais rápidos, apresentando “de uma forma mais inteligente as melhores soluções”.

"O Bizcargo distingue-se de todas as iniciativas uma vez que não tem dependência de nenhum grupo empresarial, disponibiliza uma nova abordagem de procura de serviços de logística e transporte baseada em catálogos de serviços e permite tratar o booking eletrónico e acompanhar a execução das operações num único local.”

Rui Barros

Bizcargo

Num setor em processo de mudança, o CEO da startup conta que os métodos tradicionais de contratação de transporte de mercadorias estão a ser complementados por meios mais recentes, suportados por ferramentas tecnológicas.

As inovações da plataforma também passam pela capacidade de colaboração entre os vários operadores na contratação e na execução de operações, bem como por uma aplicação móvel que permite uma interação com a plataforma por todos os intervenientes.

O sucesso da MITMYNID deve-se ao facto do tecido empresarial português na área dos transportes e da logística ter “uma visão muito voltada para a adoção de novos paradigmas”, permitindo “que sejam realizados trabalhos em conjunto com resultados muito interessantes e que posicionam Portugal com algumas das boas práticas a seguir por outros países”, refere Rui Barros. Além disso, a MITMYNID é o resultado de um spin-off de um grupo de investigação do INESC TEC que trabalha há mais de 20 anos com entidades da logística e dos transportes.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bizcargo: o novo serviço de booking para mercadorias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião