Estados Unidos compram cada vez mais petróleo angolano. Quase 190 mil barris por dia

  • Lusa
  • 30 Outubro 2017

Da produção diária de 1,6 milhões de barris diários de petróleo em Angola, 189 mil são comprados pelos Estados Unidos. Reserva do país caiu mais do que o esperado em setembro.

As compras do petróleo angolano pelos Estados Unidos dispararam desde junho, ultrapassando os 10 por cento do total da produção de Angola, indicam dados da unidade de estatística (EIA) do Departamento de Energia norte-americano, reunidos pela Lusa.

No mês de junho, os Estados Unidos compraram a Angola o equivalente a 178.000 barris de crude por dia, registo que subiu no mês seguinte para 189.000 barris de crude, para uma produção diária angolana que ronda os 1,6 milhões de barris diários.

Em fevereiro, segundo os dados da EIA, as compras norte-americanas do petróleo angolano foram de apenas 64.000 barris de crude por dia, valor que caiu ainda mais no mês seguinte, para apenas 30.000 barris.

Nos sete meses já contabilizados em 2017 pelo Departamento de Energia, as compras do petróleo angolano pelos Estados Unidos rondaram, em média, os 110.000 barris diários, ainda assim abaixo do mesmo período de 2016, então com um registo médio de 186.000 barris diários.

A Nigéria, que concorre com a Angola como principal fornecedor africano de petróleo aos Estados Unidos, garantiu neste mesmo período, entre janeiro e julho, vendas médias equivalentes a 298.000 barris de crude por dia.

Cerca de 50% do petróleo angolano é comprado pela China, logo seguida pela Índia, que tem vindo a reforçar as compras de crude a Angola.

As reservas de petróleo dos Estados Unidos registaram na primeira quinzena de setembro uma nova quebra, de 1,8 milhões de barris, ficando em 471 milhões, informou o Departamento de Energia.

A descida foi superior ao esperado, com as previsões a apontarem para uma diminuição de 700 mil barris.

As reservas de petróleo mantêm-se acima da média para esta época do ano, segundo o relatório do Governo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estados Unidos compram cada vez mais petróleo angolano. Quase 190 mil barris por dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião