Famílias estão a poupar pouco, mas ainda não há risco

  • Margarida Peixoto
  • 30 Outubro 2017

Por enquanto, os níveis de consumo das famílias estão alinhados com os rendimentos. Mas é preciso acompanhar os indicadores com cautela.

A taxa de poupança das famílias está em níveis baixos, quando comparado com o período da crise. Quer dizer que os consumidores estão a gastar para além das suas possibilidades? Não, pelo menos por enquanto. Os dados mostram que as famílias consomem de acordo com os rendimentos disponíveis, mas é o próprio Governo que assume que seria importante poupar mais.

No debate de generalidade de apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2018, o ministro das Finanças, Mário Centeno, defendeu que a poupança tem vindo a recuperar. Contudo, assumiu que a recuperação não acontece a um ritmo suficiente e que por isso o Governo tem de criar as condições para para facilitar a poupança das famílias — no dia seguinte, o Conselho de Ministros anunciaria um novo produto de poupança para os particulares com condições piores do que aqueles que estavam em vigor.

Mas afinal, o que se passa com a poupança das famílias? As famílias estão a adotar comportamentos de risco? Em primeiro lugar, vale a pena olhar para os números. Os dados do Instituto Nacional de Estatística mostram que os consumidores poupam 5,2% do seu rendimento disponível — uma percentagem baixa quando comparada com os 9,1% de 2013, ou com os 10,5% de 2010. Ainda assim, o valor já esteve ainda mais baixo, em 5%, como mostra o próximo gráfico.

Como tem evoluído a taxa de poupança das famílias?

Fonte: INE

Tendo em conta que as famílias reservam uma parte considerada pequena do seu rendimento para poupança, quer dizer que estão a consumir de mais? “As despesas de consumo das famílias estão alinhadas com o seu rendimento”, diz Rui Constantino, economista-chefe do Banco Santander Totta. A afirmação é corroborada pelos dados do INE, que dão conta de um aumento de 0,9% tanto das despesas de consumo, como do rendimento disponível, no segundo trimestre de 2017.

Constantino explica que as famílias poderiam estar a diminuir as suas poupanças, ou até a recorrer ao aumento do seu nível de endividamento, mas não é isso que os dados mostram. Durante alguns meses, pensou-se, de facto, que a taxa de poupança já estava abaixo dos 4%, o valor mais baixo desde 1999. Porém, este valor haveria de ser revisto em alta, com o apuramento de informação mais detalhada de 2015. O INE explicou que os rendimentos da propriedade foram, afinal, mais elevados, o que subiu a taxa para valores em torno dos 5%.

As despesas de consumo das famílias estão alinhadas com o seu rendimento.

Rui Constantino

Economista-chefe do Banco Santander Totta

“É verdade que temos uma poupança baixa, mas a generalidade das famílias tem património imobiliário”, acrescenta ainda o economista. É por isso que, por enquanto, ainda não há sinais de risco, embora seja importante ir monitorizando a situação. “Há que acompanhar a evolução dos indicadores, para ver se não surgem desequilíbrios”, defende Rui Constantino.

O INE revela ainda que o rendimento das famílias está a crescer maioritariamente pela redução dos impostos pagos (em 7,7%), mas também por um aumento das remunerações (de 1,1%).

Olhando para o Boletim Económico de outubro do Banco de Portugal, são visíveis alguns sinais de prudência no consumo das famílias. O banco central dá conta de uma desaceleração do consumo privado este ano, face a 2016. Enquanto no ano passado, o consumo de bens duradouros estava a crescer 10%, este ano cresce a um ritmo de 5%. Grande parte da explicação está na compra de automóveis, cujo crescimento caiu de 20% para 5%.

Também o crescimento do consumo de bens correntes dá alguma confiança: deverá subir 1,9% este ano, ligeiramente acima dos 1,6% de 2016, mas ainda abaixo do crescimento do PIB — o que indicia sustentabilidade face à evolução dos rendimentos.

O ECO está, ao longo desta semana, a realizar um conjunto de trabalhos sobre a poupança, no âmbito do Dia Mundial da Poupança. Pode acompanhar estes artigos aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Famílias estão a poupar pouco, mas ainda não há risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião