Como poupar dinheiro nas redes sociais

  • Rita Frade
  • 31 Outubro 2017

As redes sociais já fazem parte do nosso dia-a-dia e podem ter um sem número de utilidades. Uma delas é poupar dinheiro.

Facebook, Instagram, Pinterest, Snapchat são apenas algumas das redes sociais que fazem parte do nosso dia-a-dia. Para além de nos permitirem manter o contacto com os nossos familiares ou amigos, podem também contribuir para um aspeto muito importante da nossa vida: poupar dinheiro.

Há, por exemplo, muitas marcas que anunciam grandes descontos nas suas páginas de Facebook ou de Instagram e, às vezes, nem é preciso estarmos a segui-las para ficarmos a saber que estão a fazer um desconto de 20, 30 ou 40% num determinado produto. Mas há, ainda, uma série de outras formas de poupar dinheiro nas redes sociais. Ora veja:

  • Seguir marcas:

Hoje em dia, praticamente todas as marcas estão presentes nas redes sociais. Para além de divulgarem novos produtos, as marcas aproveitam também para partilhar promoções, descontos, etc. Exemplo disso é a McDonald’s Portugal, que várias vezes oferece cupões aos utilizadores do Instagram. O truque é fazer “like” ou seguir as páginas que mais lhe interessam e acompanhar as publicações que são feitas.

  • Seguir páginas:

Descontos – O blog” ou “Caça Promoções” são algumas das páginas de Facebook que reúnem regularmente ofertas, descontos e promoções de grandes hipermercados, como o Pingo Doce ou o Continente. Basta, assim, segui-las para estar a par das últimas novidades e poupar algum dinheiro.

  • Seguir bloggers/influencers:

Hoje em dia há uma série de bloggers/influencers que partilham as suas experiências sobre muitos dos produtos que consumimos, dando-nos conselhos sobre o melhor e o pior que existe no mercado. Bloggers como “A Maria Vaidosa” ensinam-nos ainda, por exemplo, a fazer uma boa maquilhagem, sem termos de sair de casa e, consequentemente, gastar dinheiro.

  • Aderir a grupos:

Aderir a grupos pode ser outra das formas de conseguir manter algum dinheiro no mealheiro. No Facebook, por exemplo, há inúmeros grupos a que podemos aderir para comprar peças de roupa ou acessórios a preços mais acessíveis ou simplesmente vendê-los. Há ainda quem use os grupos, como o “Coisas da Zara”, para encontrar uma determinada peça de roupa ou acessório a preços mais convidativos.

Coisas da Zara

  • Retirar ideias:

Muitas vezes queremos oferecer um presente, mas não temos muito dinheiro. Porque não fazê-lo com as nossas próprias mãos? O conceito “do it yourself” continua em voga e permite poupar alguns trocos. Neste caso, redes sociais como o Pinterest podem servir como uma ótima fonte de inspiração. O YouTube pode ser outra opção a considerar, na medida em que disponibiliza inúmeros vídeos que explicam como fazer um determinado objeto ou produto, passo a passo.

  • Pedir recomendações:

Tendo em conta a quantidade de “amigos” que temos nas redes sociais, porque não pedir-lhes a opinião sobre um determinado produto ou serviço? Uma simples pergunta pode fazer-nos poupar muito dinheiro.

  • Participar em passatempos:

Participar em passatempos pode ser outra das formas de poupar dinheiro e há muitas marcas que recorrem a este método para chamar a atenção dos utilizadores. Por isso, é só estar atento.

  • Pedir amostras grátis:

Quantas vezes queremos experimentar um produto, mas temos medo de gastar dinheiro em vão? Há várias páginas nas redes sociais que nos permitem pedir amostras de um determinado produto, sem quaisquer custos adicionais, como é o caso da “Minhas Amostras Grátis”.

O ECO está, ao longo desta semana, a realizar um conjunto de trabalhos sobre a poupança, no âmbito do Dia Mundial da Poupança. Pode acompanhar estes artigos aqui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como poupar dinheiro nas redes sociais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião