Desemprego espanhol sobe. Catalunha é a região que mais sofre

  • ECO e Lusa
  • 3 Novembro 2017

Catalunha foi a região espanhola onde o desemprego mais cresceu em outubro. Em geral, o número de desempregados nesse país registou um aumento de 56.844 pessoas em relação a setembro.

O número de desempregados inscritos nos serviços públicos espanhóis de emprego registou em outubro um aumento de 56.844 pessoas em relação ao mês anterior, alcançando um total de 3.467.026. Segundo o El País, a região mais afetada (em termos absolutos) por esta tendência foi a Catalunha, com mais 14.698 pessoas sem emprego do que em setembro.

Segundo os dados publicados, esta sexta-feira, em Madrid pelo Ministério do Emprego e da Segurança Social de Espanha, em comparação com um ano antes, o número de desempregados diminuiu 297.956.

O desemprego mensal só diminuiu no setor da construção civil (menos 5,190) e entre aqueles que procuram o primeiro emprego (menos 173), tendo aumentado no setor dos serviços (+50,985), na agrícola (+9,194) e na indústria (+2,028).

Por outro lado, o número médio de pessoas inscritas nos serviços de Segurança Social espanhóis registou um aumento de 94.368 pessoas em outubro em relação ao mês anterior, tendo alcançado as 18.430.529 de pessoas ocupadas.

Apesar do aumento do desemprego, o número de inscritos na Segurança Social também revela um aumento do emprego — mais 94.368 pessoas face ao mês anterior, para atingir um total de mais de 18 mil pessoas ocupadas. Como sublinha o CincoDías (conteúdo em espanhol), apesar de estes dados serem piores do que o registado há um ano, este é o terceiro melhor registo da série do Ministério do Emprego que teve início em 2001. Quando os dados são expurgados de sazonalidade, o emprego melhora em cem mil pessoas, algo que não se via desde o primeiro trimestre deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego espanhol sobe. Catalunha é a região que mais sofre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião