Taxa turística em Lisboa pode aumentar em janeiro de 2019

  • ECO
  • 6 Novembro 2017

É certo que o valor será reavaliado até janeiro de 2019 e que deverá ser aumentado, só não se sabe quanto. O compromisso consta do acordo entre o BE e o PS para viabilizar uma maioria em Lisboa.

A Câmara de Lisboa vai reavaliar a taxa turística a cobrar por noite na capital até ao dia 1 de janeiro de 2019. Os bloquistas queriam duplicar a taxa para dois euros por noite, segundo o Diário de Notícias desta segunda-feira, mas os socialistas recusaram. Durante as negociações para viabilizar um executivo camarário não foi alcançado um acordo sobre o aumento da taxa, mas é quase certo que deverá subir.

Foi na semana passada que Fernando Medina e Ricardo Robles anunciaram o acordo entre o BE e o PS que vai viabilizar uma maioria socialista para os próximos quatro anos. O vereador do Bloco de Esquerda ficou com os pelouros da Educação e Saúde, mas o acordo vai além dessas áreas, incluindo também a taxa turística — “o valor da taxa [turística] será reavaliado até 1 de janeiro de 2019”, lê-se no texto.

O BE quer que as receitas provenientes do aumento da taxa turística sejam utilizadas na higiene urbana, transportes públicos, mas sobretudo nas zonas da cidade mais pressionadas pela vaga de turismo. Fonte do executivo de Medina ouvida pelo DN refere que o primeiro passo será avaliar a execução da taxa turística municipal e só depois se pensará no aumento.

Em 2016, a taxa tinha rendido 13,5 milhões de euros e este ano, só no primeiro trimestre, já rendeu 3,3 milhões de euros. Este ano estão previstas receitas na ordem dos 15 milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxa turística em Lisboa pode aumentar em janeiro de 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião