Pizarro: “Já devia estar a ser cobrada taxa turística no Porto”

O ex-braço direito de Rui Moreira na Câmara do Porto e agora candidato à liderança da autarquia diz que não teme ir a votos. Mas adianta que Moreira "leva vantagem na corrida eleitoral".

Manuel Pizarro, o candidato socialista à Câmara do Porto defende a taxa turística para a cidade frisando mesmo que esta “já devia estar a ser cobrada”.

Manuel Pizarro afirma que a contribuição da taxa já devia ter sido pedida aos turistas face ao enorme crescimento do setor “colocando-se assim o turismo ao serviço do desenvolvimento mais harmonioso da cidade”. O atual presidente da autarquia adiou a aplicação da taxa turística para depois das autárquicas alegando que este não tinha sido tema da campanha em 2013.

Pizarro, que era até há uma semana o braço direito de Rui Moreira na Câmara do Porto, adianta em entrevista ao Expresso publicada na edição deste sábado, que não teme ir a votos apesar de ter sido o rosto socialista da coligação pós-eleições que governou a cidade praticamente durante quatro anos.

Apesar de dizer que um bom resultado será “vencer”, Manuel Pizarro reconhece que o atual presidente da Câmara está melhor posicionado para vencer.”Pela função que exerce, quem leva vantagem na corrida eleitoral é Rui Moreira”, afirma.

"“Pela função que exerce, quem leva vantagem na corrida eleitoral é Rui Moreira”

Manuel Pizarro

Candidato a presidente da Câmara do Porto pelo PS

Porém, Pizarro diz que até 1 de outubro os portuenses terão tempo para avaliar “os motivos ainda por explicar que abalaram o Porto”.

O líder da Federação Distrital do Porto era até há semana o braço direito de Rui Moreira, até cair por terra o acordo do PS com o movimento “Porto, o nosso partido”.

Na entrevista, o ex-vereador da Habitação e Ação Social elenca algumas das propostas do seu programa eleitoral como a captação de investimento económico que diz precisa de maior dinamismo e a coesão social e territorial, tendo em vista combater o Porto desigual. Apesar de afirmar que o Porto não é só a baixa salienta que “nunca me ouvirão diabolizar o turismo, um importante motor da cidade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pizarro: “Já devia estar a ser cobrada taxa turística no Porto”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião