Michel Combes sai da Altice. Ações valorizam 3% em Paris

O gestor saiu da liderança da dona do Meo em rutura com Patrick Drahi e Armando Pereira. Depois do anúncio, as ações da empresa francesa estão a valorizar, recuperando das fortes quedas recentes.

A Altice está a recuperar em bolsa. Depois das fortes quedas nas últimas sessões, que eliminaram mais de um terço do valor da dona do Meo, os títulos estão a valorizar em Paris em reação ao anúncio da saída de Michel Combes do cargo de presidente executivo do grupo Altice em rutura com Patrick Drahi e Armando Pereira.

Os títulos da companhia francesa seguem a valorizar 2,44% para 10,92 euros, tendo chegado a subir um máximo de 3,19% durante a negociação, invertendo a tendência recente perante a saída de Combes que será substituído por Dexter Goei, atual líder da Altice USA, que acumulará as duas funções, segundo a agência. Dennis Okhuijsen, até aqui o diretor financeiro do grupo, torna-se também líder da Altice Europa.

Desde o final da semana passada, depois de a Altice ter emitido um profit warning, assumindo que os resultados do ano de 2017 deverão ficar no “limite mínimo” das suas previsões, os títulos desvalorizaram mais de 34%. Este desempenho operacional estará na base da deterioração da relação entre Michel Combes e os donos do grupo franco-israelita.

Além da capacidade de gerar resultados, os acionistas também tinham dúvidas quanto à capacidade de Michel Combes em reduzir a dívida da empresa, que rondará os 50 mil milhões de dólares, isto depois das várias aquisições feitas pelo grupo. Entre essas compras está a dona do Meo, adquirida em 2015. A Altice comprou a Meo à brasileira Oi por 5,789 mil milhões de euros

A empresa está focada em desenvolver uma estratégia de convergência entre telecomunicações, media e publicidade e, este verão, ofereceu 440 milhões de euros pela Media Capital, a dona da TVI. O negócio ainda está sujeito à aprovação dos reguladores e tem merecido forte oposição por parte dos players concorrentes dos dois setores.

(Notícia atualizada às 8h30 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Michel Combes sai da Altice. Ações valorizam 3% em Paris

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião