Candidatos à liderança do Eurogrupo têm de apresentar planos para os próximos dois anos e meio

  • Margarida Peixoto
  • 16 Novembro 2017

A carta que define os procedimentos para a eleição do próximo presidente do Eurogrupo já foi enviada para os governantes. Candidatura tem de ser formalizada até 30 de novembro.

Os ministros das Finanças que se quiserem candidatar à presidência do Eurogrupo vão ter de apresentar as suas prioridades para os próximos dois anos e meio oralmente, perante os restantes colegas do grupo da moeda única, no dia 4 de dezembro, antes da votação. Os procedimentos para a formalização das candidaturas e o modelo de votação foram definidos numa carta enviada aos governantes, a que o ECO teve acesso.

Mário Centeno, ministro das Finanças português, tem sido dado como um dos candidatos potenciais à liderança do Eurogrupo, substituindo o ainda presidente Jeroen Dijsselbloem. Mas se o governante português se quiser mesmo habilitar ao lugar, terá de manifestar a sua vontade por escrito, numa carta de motivação, enviada até 30 de novembro para o diretor-geral responsável pelo Eurogrupo, Carsten Pillath, e para o presidente do Grupo de Trabalho do Eurogrupo, Thomas Wieser.

Nessa mesma quinta-feira, todos os ministros serão informados sobre quem são os candidatos que formalizaram a sua intenção. E no dia seguinte, 1 de dezembro, os nomes serão tornados públicos.

Tal como já tinha sido anunciado por Dijsselbloem, a eleição será feita na reunião de 4 de dezembro, por voto secreto. Mas nesse encontro, “antes do voto formal, os candidatos serão convidados a confirmar oralmente a sua intenção de ir a eleições e a delinear as suas prioridades para os próximos dois anos e meio”, lê-se na missiva enviada por Carsten Pillath, para o Grupo de Trabalho do Eurogrupo.

Como vai decorrer a votação?

Durante a reunião, todos os ministros vão receber boletins de voto. Se nenhum dos candidatos conseguir uma maioria simples (isto é, pelo menos dez votos), Jeroen Dijsselbloem vai informar “cada candidato individualmente” do seu número de votos. Esta informação será exclusiva de cada candidato e “não será partilhada” nem com os seus concorrentes, nem com os restantes ministros.

Consoante os resultados, os candidatos são convidados a avaliar se se querem manter na corrida, ou se desistem. Serão depois realizadas rondas sucessivas de votações, tantas quantas as necessárias, até que um dos candidatos consiga pelo menos a maioria simples de votos. Nesse mesmo encontro Dijsselbloem vai anunciar o vencedor perante os restantes ministros e a informação será imediatamente tornada pública na conferência de imprensa prevista para o final do encontro.

Apesar de o procedimento prever a possibilidade de ser difícil encontrar um vencedor por maioria, nada garante que assim seja. Os ministros têm estado em contactos intensos para avaliar os apoios disponíveis e a Cimeira Social para o Emprego Justo e o Crescimento, que vai decorrer esta sexta-feira em Gotemburgo com a presença dos chefes de Estado, será outra oportunidade para estabelecer contactos.

Ao que o ECO apurou, a decisão portuguesa quanto a uma eventual candidatura ainda não está tomada. Desde logo, haverá que avaliar se uma liderança do Eurogrupo não poderá colocar em causa o foco na missão de consolidar as contas públicas portuguesas. A saída do Procedimento por Défice Excessivo e a redução progressiva do défice são consideradas uma vitória determinante pelo Governo. Nem o primeiro-ministro António Costa, nem a equipa das Finanças admitem colocá-la em risco. Seja como for, a decisão terá também sempre em conta os apoios que forem sendo manifestados e a perceção sobre as probabilidades de vitória.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Candidatos à liderança do Eurogrupo têm de apresentar planos para os próximos dois anos e meio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião