Centeno revela que medidas contra incêndios pesam 230 milhões no défice

  • Margarida Peixoto
  • 17 Novembro 2017

O ministro das Finanças revelou que a resposta aos incêndios tem um impacto orçamental de 230 milhões de euros. Valor global do pacote atinge os 650 milhões de euros.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, revelou esta sexta-feira que o pacote de medidas de reação, prevenção e combate aos incêndios terá um impacto de 230 milhões de euros no défice orçamental de 2018. O governante falava durante a sua audição na comissão parlamentar de Orçamento e finanças, no âmbito do debate na especialidade do Orçamento do Estado para o próximo ano, na Assembleia da República.

“Orçamentalmente, a previsão que temos são verbas superiores a 650 milhões de euros que correspondem a recursos públicos”, disse o ministro. Mas o pacote total de medidas conta com outras fontes de financiamento, para além do próprio Orçamento do Estado. Centeno explicou que parte das verbas provêm de fundos comunitários, cujo impacto orçamental é menor, e outra parte vem de linhas de crédito. Assim sendo, “o impacto global no défice de todas estas medidas é de 230 milhões de euros”, adiantou o ministro.

Este montante representa cerca de uma décima do PIB. O ministro não esclareceu se este impacto será de alguma forma compensado ou se implicará uma subida na meta do défice dos anteriores 1% para 1,1%.

Centeno explicou ainda que “face ao que já estava previsto, há um conjunto de medidas que ultrapassam os 300 milhões de euros”. O ministro referia-se às medidas que resultaram da reunião extraordinária do Conselho de Ministros de outubro, sobre esta matéria. Mas não clarificou como é que esta parcela se relaciona com as anteriores nem a que impacto no défice orçamental corresponde.

“É um esforço muito significativo e que deverá ser suficiente para financiar o que é uma nova estratégia de combate e prevenção aos fogos florestais”, defendeu o ministro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno revela que medidas contra incêndios pesam 230 milhões no défice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião