Esquerda desce na popularidade. PSD e CDS ganham votos

  • ECO
  • 17 Novembro 2017

O barómetro de novembro da Eurosondagem aponta para uma descida na popularidade dos partidos de esquerda, que se traduz em perdas na intenção de voto. Contudo, PS continua à frente.

Na mesma altura em que se debate o Orçamento do Estado, o Expresso (acesso pago) e a SIC lançaram uma sondagem que deteta uma perda de popularidade da “geringonça” — o PS regista a maior quebra entre os vários partidos. Ainda assim, aparece como o preferido dos eleitores, reunindo 40% das intenções de voto. O PSD segue-se na lista e aproxima-se, 28,4%. Marcelo Rebelo de Sousa destaca-se como a personalidade política mais querida entre os portugueses.

O estudo foi executado entre 8 e 15 de novembro pela Eurosondagem. Nestes dias, além das discussões em torno das medidas a constar no Orçamento do Estado, o Governo enfrentou ainda a greve da Função Pública e o surto de legionella, que matou cinco pessoas.

De acordo com a sondagem, se existissem agora eleições, o PS teria a maioria dos votos — 40% –, mas este desempenho representa também a maior quebra de confiança, com uma descida de um ponto percentual (p.p.) em relação ao mês anterior. O parceiro da geringonça, Bloco de Esquerda, reúne 8,7% das intenções de voto, menos 0,3 p.p. do que em setembro.

Intenção de Voto (%)

À direita notam-se progressos. O PSD com 28,4% é o segundo partido mais popular, o que consiste num aumento de 0,4 p.p. O CDS consegue a preferência de 6,6% dos inquiridos (um aumento de 0,6 p.p).

Ao nível das personalidades da vida política, é Marcelo o “campeão”, com uma aprovação de 62,5 pontos, que tem em conta a avaliação positiva de 70% dos inquiridos e negativa de 7,5%. É o único que melhora o resultado. Os 62,5 pontos de Marcelo comparam com os 32,3 de António Costa, uma quebra de 2,1 pontos para o primeiro-ministro.

O estudo foi feito através de entrevista telefónica a 1.010 votantes distribuídos por várias regiões do país — Norte, Centro, e as cidades do Porto e Lisboa. O erro máximo da amostra é de 3,08%, para um grau de probabilidade de 95%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esquerda desce na popularidade. PSD e CDS ganham votos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião